ParaTombini, PIB confirma "pausa no crescimento"

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse – em nota – que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) "confirmou a pausa no crescimento econômico no ano"; a economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, na comparação com o ano anterior. O PIB fechou o ano em R$ 5,52 trilhões, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse – em nota – que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) "confirmou a pausa no crescimento econômico no ano"; a economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, na comparação com o ano anterior. O PIB fechou o ano em R$ 5,52 trilhões, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse – em nota – que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) "confirmou a pausa no crescimento econômico no ano"; a economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, na comparação com o ano anterior. O PIB fechou o ano em R$ 5,52 trilhões, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (Foto: Paulo Emílio)

Mariana Branco, Repórter da Agência Brasil - O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse – em nota – que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) "confirmou a pausa no crescimento econômico no ano".

A economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, na comparação com o ano anterior. O PIB fechou o ano em R$ 5,52 trilhões, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na nota, Tombini diz que, não obstante o resultado do PIB, a revisão das estatísticas pelo IBGE – graças a aprimoramentos metodológicos – revelou um quadro de maior expansão da atividade econômica desde 2012, com participação mais elevada do investimento na economia e melhores indicadores de solvência do país. O presidente do BC disse também que os ajustes macroeconômicos que estão sendo feitos "tendem a construir bases mais sólidas para a retomada da confiança e do crescimento econômico".

Apesar de fraco, o resultado do PIB ficou acima do previsto pelo Banco Central. Ontem (26), no Relatório Trimestral de Inflação, a autoridade monetária revisou para baixo a projeção de variação da atividade econômica em 2014. De crescimento de 0,2%, previsto em dezembro, a projeção passou para retração de 0,1%. Para 2015, o BC espera recuo de 0,5% do PIB.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247