Parente ameaçou renunciar se combustível baixasse

O presidente da Petrobrás ameaçou renunciar se o governo interferisse na política de preços da companhia, em constante elevação, cedendo à pressão dos caminhoneiros em greve nacional, disse o presidente da AMEC (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), Mauro Cunha

Pedro Parente
Pedro Parente (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em entrevista a Mônica Waldvogel, ontem à noite, no programa “Entre Aspas”, da Globo News, o presidente da AMEC (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), Mauro Cunha afirmou que “a Petrobrás perdeu 40 bilhões de valor com a ameaça de renúncia de Pedro Parente”.

   “Nós dependemos de um CPF”, disse ele, “o CPF de Parente”.

   O presidente da Petrobrás ameaçou renunciar se o governo interferisse na política de preços da companhia, em constante elevação, cedendo à pressão dos caminhoneiros em greve nacional, disse o executivo, o que provocou imediata queda nas ações.

   Parente ganhou a queda de braço com o ministro das Minas e Energia, Moreira Franco.

  A gasolina vai continuar subindo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247