Petrobras capta US$ 8,5 bi em bônus para demanda recorde de US$ 22 bi

Mais uma vez mercado internacional demonstra confiança na estatal brasileira de petróleo; megaoperação de lançamento de bônus da companhia oferece total de US$ 8,5 bilhões em títulos; mercado apresentou demanda por US$ 22 bilhões, superando expectativas iniciais; resgates se darão entre dois e trinta anos; trata-se da maior operação do tipo feita em todo o mundo este ano; recursos bilionários garantem plano de investimentos da companhia presidida por Graça Foster até 2018; analistas já preveem alta de 100% nas ações ao longo do ano

Mais uma vez mercado internacional demonstra confiança na estatal brasileira de petróleo; megaoperação de lançamento de bônus da companhia oferece total de US$ 8,5 bilhões em títulos; mercado apresentou demanda por US$ 22 bilhões, superando expectativas iniciais; resgates se darão entre dois e trinta anos; trata-se da maior operação do tipo feita em todo o mundo este ano; recursos bilionários garantem plano de investimentos da companhia presidida por Graça Foster até 2018; analistas já preveem alta de 100% nas ações ao longo do ano
Mais uma vez mercado internacional demonstra confiança na estatal brasileira de petróleo; megaoperação de lançamento de bônus da companhia oferece total de US$ 8,5 bilhões em títulos; mercado apresentou demanda por US$ 22 bilhões, superando expectativas iniciais; resgates se darão entre dois e trinta anos; trata-se da maior operação do tipo feita em todo o mundo este ano; recursos bilionários garantem plano de investimentos da companhia presidida por Graça Foster até 2018; analistas já preveem alta de 100% nas ações ao longo do ano (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Petrobras lança US$8,5 bi em bônus; demanda supera US$22 bi

 
10 Mar (Reuters) - A Petrobras lançou nesta segunda-feira uma oferta de 8,5 bilhões de dólares em bônus no exterior, com a demanda pelos papéis superando os 22 bilhões de dólares, informou o IFR, um serviço da Thomson Reuters.

Havia expectativas de que a estatal lançasse montante recorde, acima dos 11 bilhões de dólares obtidos em operação similar em maio do ano passado, o que acabou não acontecendo.

A subsidiária Petrobras Global Finance está vendendo títulos de dívida em dólares em seis tranches, com vencimentos entre três e 30 anos.

Pela manhã, em resposta ao anúncio da emissão, a diferença entre o rendimento dos bônus da Petrobras no exterior e dos Treasuries com prazo equivalente aumentou no mercado secundário, com a curva de rendimento dos bônus da Petrobras inclinando cerca de 15 pontos básicos.

A operação compreende 1,6 bilhão de dólares em bônus com vencimento em três anos e spread de 250 pontos básicos sobre Treasuries, 1,4 bilhão de dólares em papéis de três anos com spread de 236 pontos sobre a Libor de três meses.

Inclui ainda títulos com prazo de seis anos: 1,5 bilhão de dólares com spread de 330 pontos básicos sobre Treasuries e outros 500 milhões de dólares com spread de 288 pontos sobre a Libor de três meses.

Além disso, há 2,5 bilhões de dólares em papéis de 10 anos com spread de 350 pontos sobre Treasuries e, finalmente, 1 bilhão de dólares em bônus de 30 anos com 360 pontos sobre Treasuries comparáveis, segundo o IFR.

Os coordenadores da operação são HSBC, JPMorgan, Citi, Bank of China, BB Investimentos e Bradesco BBI.

Os recursos captados pela Petrobras devem ser usados para ajudar a financiar o plano de negócios da companhia de 2014 a 2018. Os investimentos da empresa estimados para o período de cinco anos foram reduzidos em quase 7 por cento em relação ao plano anterior, ainda assim para o robusto montante de 220,6 bilhões de dólares.

A Petrobras padece de alto endividamento e defasagem dos preços dos combustíveis no mercado interno na comparação com os preços internacionais, além de estar enfrentando obstáculos para elevar sua produção. A ação preferencial da companhia acumula queda de cerca de 22 por cento neste ano até 7 de março, contra perda de 10,2 por cento do Ibovespa.

No ano passado, a Petrobras foi classificada como a empresa mais endividada do mundo em um relatório do Bank of America Merrill Lynch. A empresa vem aumentando o tamanho de suas emissões de bônus em dólares ano após ano, pelo menos desde 2009, elevando os custos de financiamento.

Em maio de 2013, a Petrobras protagonizou a maior captação de bônus em dólares por uma companhia da América Latina, ao vender 11 bilhões de dólares nos mercados internacionais. Também foram seis tranches com prazos entre três e 30 anos, e a demanda naquela ocasião superou os 50 bilhões de dólares.

© Thomson Reuters 2014 All rights reserved.

Abaixo, notícia anterior de 247:

247 – O mercado internacional de investidores está dando nesta segunda-feira 10 uma demonstração de confiança na Petrobras que não se verifica no mercado brasileiro. Enquanto aqui, debaixo de análises esparramadas na mídia familiar, a companhia é cercada de críticas e os papeis na bolsa de valores chegam a níveis históricos de baixa, no exterior o quadro é bem diferente. Montada para ser completada hoje no final da tarde, uma megaoperação de colocação de bônus da Petrobras com resgates de dois a trinta anos garantiu reservas de pedidos iniciais de nada menos que US$ 12 bilhões.

Num momento em que este tipo de operação não tem sido comum, o resultado antecipado demonstra a confiança dos investidores na estatal brasileira. No mundo das altas finanças, ninguém compra títulos de dívida de uma companhia se não tem certeza de que, na data combinada para o resgate com juros e correções, o papel será honrado.

A megacaptação servirá para bancar o plano de investimentos da companhia de 2014 a 2018. Os coordenadores da operação são HSBC, JPMorgan, Citi, Bank of China, BB Investimentos e Bradesco BBI.

Também nesta segunda-feira 10, em novo sinal de virada, a favor, do humor do mercado em relação à Petrobras, analistas afirmam que papeis da estatal a bolsa poderão subir até 100% em 2014 (aqui).

Abaixo, notícia da Agência Reuters a respeito da captação de bônus em andamento nesta segunda-feira 10:

Petrobras prepara megacaptação de bônus; demanda supera US$12

10 Mar (Reuters) - A Petrobras deve precificar nesta segunda-feira uma emissão multibilionária de bônus no exterior, potencialmente num montante recorde, informou o IFR, um serviço da Thomson Reuters. Antes do fim da manhã, a demanda pelos papéis já superava os 12 bilhões de dólares.

A subsidiária Petrobras Global Finance pretende vender títulos de dívida em dólares em seis tranches, com vencimentos entre três e 30 anos.

A diferença entre o rendimento dos bônus da Petrobras no exterior e dos Treasuries com prazo equivalente aumentava no mercado secundário, antes da precificação dos novos títulos da estatal brasileira.

Em resposta ao anúncio da nova emissão, a curva de rendimento dos bônus da Petrobras inclinou cerca de 15 pontos básicos.

A nova emissão vai compreender títulos com prazos de três anos e de seis anos, nos dois vencimentos com taxas fixas e flutuantes, e de 10 e de 30 anos com taxas fixas.

As estimativas de preços iniciais, segundo o IFR, eram de Treasuries mais 260 pontos, Libor de três meses mais 246 pontos, Treasuries mais 340 pontos, Libor de três meses mais 298 pontos, Treasuries mais 360 pontos e Treasuries mais 370 pontos, respectivamente, de acordo com o IFR.

Os coordenadores da operação são HSBC, JPMorgan, Citi, Bank of China, BB Investimentos e Bradesco BBI.

Os recursos captados pela Petrobras devem ser usados para ajudar a financiar o plano de negócios da companhia de 2014 a 2018. Os investimentos da empresa estimados para o período de cinco anos foram reduzidos em quase 7 por cento em relação ao plano anterior, ainda assim para o robusto montante de 220,6 bilhões de dólares.

A Petrobras padece de alto endividamento e defasagem dos preços dos combustíveis no mercado interno na comparação com os preços internacionais, além de estar enfrentando obstáculos para elevar sua produção. A ação preferencial da companhia acumula queda de cerca de 22 por cento neste ano até 7 de março, contra perda de 10,2 por cento do Ibovespa.

No ano passado, a Petrobras foi classificada como a empresa mais endividada do mundo em um relatório do Bank of America Merrill Lynch. A empresa vem aumentando o tamanho de suas emissões de bônus em dólares ano após ano, pelo menos desde 2009, elevando os custos de financiamento.

Recentemente, uma fonte disse à Reuters que a Petrobras poderia colocar entre 10 bilhões e 13 bilhões de dólares em títulos no mercado internacional em 2014.

Em maio de 2013, a Petrobras protagonizou a maior captação de bônus em dólares por uma companhia da América Latina, ao vender 11 bilhões de dólares nos mercados internacionais. Também foram seis tranches com prazos entre três e 30 anos, e a demanda naquela ocasião superou os 50 bilhões de dólares.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email