Petrobras derrete, cai 14% na bolsa e é rebaixada

Os papéis da Petrobras começaram esta quinta despencando na Bolsa de Valores de Paulo, com queda de 14%; Ibovespa abriu caindo 1%; o "mercado", composto pelos grandes bancos, grandes empresas e especuladores, reage muito mal à crise da Petrobras; na noite de ontem, os ADRs da empresa chegaram a cair mais de 10% em Nova York

Os papéis da Petrobras começaram esta quinta despencando na Bolsa de Valores de Paulo, com queda de 14%; Ibovespa abriu caindo 1%; o "mercado", composto pelos grandes bancos, grandes empresas e especuladores, reage muito mal à crise da Petrobras; na noite de ontem, os ADRs da empresa chegaram a cair mais de 10% em Nova York
Os papéis da Petrobras começaram esta quinta despencando na Bolsa de Valores de Paulo, com queda de 14%; Ibovespa abriu caindo 1%; o "mercado", composto pelos grandes bancos, grandes empresas e especuladores, reage muito mal à crise da Petrobras; na noite de ontem, os ADRs da empresa chegaram a cair mais de 10% em Nova York (Foto: Mauro Lopes)

247 com InfoMoney -  Os papéis da Petrobras começaram esta quarta despencando na Bolsa de Valores de Paulo, com queda de 14%. O Ibovespa abriu caindo 1%. O "mercado", composto pelos grandes bancos, grandes empresas e especuladores, reage muito mal à crise da Petrobras e às decisões de Pedro Parente, de reduzir o preço da gasolina nas refinarias seguidamente nos últimos dias. O mercado que a manutenção da política privatista implementada pelo presidente da empresa, de buscar o lucro a todo custo. Na noite de ontem (23), os ADRs da empresa chegaram a cair mais de 10% em Nova York, fechando com recuo na casa dos 5%.  A companhia teve seus ADRs rebaixados por BofA, Credit Suisse e Morgan Stanley. Os analistas do Itaú BBA também rebaixaram as notas da ações da estatal para "market perform".

Relata o site InfoMoney:

"Após um dia de forte queda na véspera, o Ibovespa dá indicações de mais uma sessão de pessimismo no mercado nacional nesta quinta-feira (24), com os investidores ainda acompanhando os desdobramentos da greve dos caminhoneiros, que chega ao quarto dia, e as movimentações políticas em torno de impostos e preços dos combustíveis. O tom mais negativo se deve, em grande parte, às expectativas por um pregão de grandes perdas para a Petrobras, após o anúncio da suspensão na política de preços para o diesel por 15 dias."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247