Petrobras deve há seis anos ao governo, diz ANP

Órgão regulador entendeu que a companhia calculou descontos de volumes de forma irregular, reduzindo pagamento de royalties e participações especiais; novo erro impulsiona coro da oposição de Aécio Neves, que defende a "estatização" da empresa para escapar da "voracidade" de parte do Partido dos Trabalhadores; senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) também denunciou ao MP a venda de patrimônio da Petrobras na Argentina a qualquer preço, "como fim de feira"

Petrobras deve há seis anos ao governo, diz ANP
Petrobras deve há seis anos ao governo, diz ANP
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A Petrobras terá de refazer os cálculos de seis anos de produção de gás natural no Campo de Albacora, na Bacia de Campos. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a companhia calculou descontos de volumes de forma irregular, reduzindo pagamento de royalties e participações especiais – o que pode elevar em mais de R$ 200 milhões o pagamento das taxas.

A Petrobras enviou ontem pedido de recurso à ANP. Em 16 de abril do ano passado, o órgão regulador aplicou multa de R$ 173 milhões por pagamento incompleto de participações especiais, que foi suspenso por liminar obtida pela empresa.

Segundo o Estadão, a companhia enfrenta fiscalização por erros no sistema de medição da vazão dos poços. Em alguns casos, declara mais do que o produzido. Em outros, declara menos, o que acarreta em menor volume de pagamento de impostos.

Em janeiro de 2012, por exemplo, foi aplicada multa de R$ 75 mil por informações inverídicas no demonstrativo de apuração de participações especiais. Em 20 de outubro de 2011, foi aplicada multa de R$ 320 mil pelos mesmos motivos. Também a aplicação destas duas multas estão sob judice.

Os novos erros impulsionam o discurso da oposição. Aécio Neves quer a « estatização » da companhia. Para o senador mineiro e provável candidato do PSDB à presidência, defender a empresa da "voracidade" de parte do Partido dos Trabalhadores é tarefa urgente; ele diz que a empresa afunda sob os "interesses privados do PT" e trata como "escândalo" a compra de uma refinaria por US$ 1,1 bilhão nos Estados Unidos.

Já o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) anunciou em Plenário que vai protocolar representação junto ao Ministério Público Federal (MPF) pedindo apuração sobre a venda de patrimônio da Petrobras na Argentina. Ele citou reportagem recente da revista Época segundo a qual o governo está vendendo por preço muito baixo 50% do patrimônio da estatal no país vizinho.

- Hoje, a Petrobras é um caso a ser estudado de como operam os mecanismos de desmonte e fragilização de uma empresa. A Petrobras amarga perdas gigantescas – disse Aloysio Nunes, ao avaliar que a Petrobras estaria "à beira da ruína" devido à interferência política do governo federal em sua gestão.

Aloysio Nunes lembrou que a Petrobras anunciou, na semana passada, prejuízo de R$ 6,9 bilhões em 2012, maior perda desde que foi criada, há mais de 60 anos.

De acordo com o senador, a estatal está em vias de se desfazer de bens e instalações na Argentina "como alguém que vende frutas e legumes a qualquer preço no final da feira". Ele explicou que a Petrobras já investiu mais de R$ 5 bilhões na petroleira estatal argentina nos últimos anos, mas cogita vender metade de seu patrimônio no país vizinho por apenas R$ 1 bilhão.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email