Planalto quer idade mínima na aposentadoria em 2026

Na próxima semana, o governo pretende anunciar uma série medidas fiscais, entre elas a proposta de reforma da Previdência: a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres deve entrar em vigor após 2026, quando encerra a vigência da regra atual; o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vai apresentar a medida na reunião do Fórum da Previdência, no dia 17

www.brasil247.com - Na próxima semana, o governo pretende anunciar uma série medidas fiscais, entre elas a proposta de reforma da Previdência: a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres deve entrar em vigor após 2026, quando encerra a vigência da regra atual; o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vai apresentar a medida na reunião do Fórum da Previdência, no dia 17
Na próxima semana, o governo pretende anunciar uma série medidas fiscais, entre elas a proposta de reforma da Previdência: a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres deve entrar em vigor após 2026, quando encerra a vigência da regra atual; o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vai apresentar a medida na reunião do Fórum da Previdência, no dia 17 (Foto: Roberta Namour)


247 - Na próxima semana, o governo pretende anunciar uma série medidas fiscais, entre elas a proposta de reforma da Previdência: a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres deve entrar em vigor após 2026, quando encerra a vigência da regra atual. Segundo reportagem de Claudia Safatle, a intenção do governo é fixar prazo de até 20 anos para igualar as regras de aposentadoria de trabalhadores urbanos e rurais. O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, vai apresentar a medida na reunião do Fórum da Previdência, no dia 17, para iniciar a discussão antes de levar ao Congresso.

O governo vai divulgar amanhã um decreto com contingenciamento ao Orçamento de 2016 abaixo de R$ 20 bilhões, bem menor dos anos anteriores, quando os cortes chegaram a R$ 70 bilhões. A área econômica alega que o orçamento já está bastante enxuto e realista.

Também vai alongar o prazo de vencimento das dívidas dos Estados com a União, por mais 15 a 20 anos, em contrapartida um aperto maior nos gastos com pessoal e a implementação da previdência complementar (leia mais).

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247