Pochmann sobre Reforma da Previdência: Brasil pode regredir à República Velha

"No país em que 1 a cada 4 brasileiros procura por emprego e avança a substituição das ocupações repetitivas pelo progresso tecnológico, Bolsonaro propõe, a quase todos, trabalhar mais e ganhar menos, se ganhar, pela 'nova' previdência'. Uma visão do atraso como projeto de Brasil", afirmou o economista Márcio Pochmann; "O Brasil pode regredir à República Velha (1889-1930), quando pobreza era caso de polícia num país agrário sem proteção social"

Pochmann sobre Reforma da Previdência: Brasil pode regredir à República Velha
Pochmann sobre Reforma da Previdência: Brasil pode regredir à República Velha (Foto: Elza Fiúza - Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O economista Márcio Pochamnn bateu duro na proposta de Reforma da Previdência entregue pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (20) à Câmara dos Deputados. De acordo com o pesquisador, "o Brasil pode regredir à República Velha (1889-1930), quando pobreza era caso de polícia num país agrário sem proteção social".

"Com a 'nova previdência' proposta por Bolsonaro, o empobrecimento maior contaminará, para além dos idosos, a juventude na excludente sociedade de serviços", disse ele no Twitter.

Segundo o estudioso, "no país em que 1 a cada 4 brasileiros procura por emprego e avança a substituição das ocupações repetitivas pelo progresso tecnológico, Bolsonaro propõe, a quase todos, trabalhar mais e ganhar menos, se ganhar, pela 'nova' previdência'. Uma visão do atraso como projeto de Brasil".

"Como o objetivo maior parece ser o de inviabilizar o sistema público de aposentadoria e pensão para implantar o regime de capitalização, a 'nova previdência' de Bolsonaro tende a se transferir dos postos de atendimento do INSS para o banco que, por acaso, vier a te aceitar", continuou.

"Para o governo Bolsonaro, a palavra reforma não significa melhorar ou aprimorar, mas excluir, pois sua proposta para o sistema público de aposentadoria e pensão visa destruir o que resta da política atual de proteção social estabelecida na Constituição Federal de 1988", acrescentou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247