Política de preços Temer-Meirelles: gasolina aumentou 42,25% nas refinarias no último ano

"A política de preços adotada pela Petrobras em suas refinarias está trazendo prejuízo para famílias e empresas brasileiras que dependem de um bem prioritário"; este é parte do comunicado que a Federação do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, a Fecombustíveis, soltou hoje; a entidade protesta sobre os aumentos diários e calcados apenas na política de preços do mercado internacional; para os donos de postos, a carga tributária também foi desregulada ao sabor da política econômica, o que prejudica ainda mais o setor

Tener gasolina
Tener gasolina (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "A política de preços adotada pela Petrobras em suas refinarias está trazendo prejuízo para famílias e empresas brasileiras que dependem de um bem prioritário". Este é parte do comunicado que a Federação do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, a Fecombustíveis, soltou hoje. A entidade protesta sobre os aumentos diários e calcados apenas na política de preços do mercado internacional. Para os donos de postos, a carga tributária também foi desregulada ao sabor da política econômica, o que prejudica ainda mais o setor.

“Com a escalada dos preços dos combustíveis, a federação que reúne os donos de postos de gasolina decidiu expor publicamente insatisfação com a atual política de preços da Petrobras e a carga tributária. Em carta divulgada nesta quarta (16), a Fecombustíveis (Federação do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes) diz que a política é perversa e que vem gerando dificuldades financeiras no setor de revenda. 

Desde outubro de 2016, a Petrobras passou a acompanhar mais de perto a variação das cotações internacionais e do câmbio. No fim de junho de 2017, anunciou que os reajustes passariam a ser diários, para competir com a importação por terceiros. Segundo a Fecombustíveis, entre 1º de julho de 2017 e 15 de maio de 2018, diz a entidade, a gasolina nas refinarias teve aumento de 42,25%. Nas bombas, o aumento acumulado é de 21,28%, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

Leia mais aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email