Preços do petróleo atingem baixa de 6,5 meses com queda na demanda da China e retomada da oferta Irã-Saudi

O chefe da Saudi Aramco, maior exportadora de petróleo do mundo, disse que está pronto para aumentar a produção, apesar dos sinais de desaceleração da economia global.

247 com Sputnik - Os preços do petróleo atingiram mínimas de seis meses e meio nesta segunda-feira, depois que o principal importador China divulgou dados de baixa de julho para o petróleo, enquanto o banco central do país cortou as taxas de empréstimo para reviver a demanda em uma economia afetada pelas contínuas repressões de coronavírus.

O West Texas Intermediate (WTI), referência para o petróleo dos EUA, caiu US$ 2,68, ou 2,9%, a US$ 89,41. Ele caiu mais de US$ 5 antes, para US$ 86,86, o nível mais baixo desde janeiro.

O Brent, referência global de petróleo negociado em Londres, caiu US$ 3,05, ou 3,1%, a US$ 95,10. Ele atingiu mais cedo uma baixa da sessão de US$ 92,80.

CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

A produção de refinarias de petróleo da China caiu para 12,53 milhões de barris diários, a menor desde março de 2020, mostraram dados do governo.

O ING Bank cortou para 4% sua previsão para o crescimento do produto interno bruto da China em 2022, abaixo da projeção anterior de 4,4%, e disse que um rebaixamento adicional é possível, já que a indústria, a atividade de varejo e o crescimento do mercado imobiliário caíram em julho.

Do lado da oferta, o Irã teve até a meia-noite de segunda-feira para responder ao projeto de texto final da União Europeia para salvar o acordo nuclear de 2015.

A oferta de petróleo pode aumentar se o Irã e os Estados Unidos retornarem ao acordo de sete anos atrás para permitir que Teerã exporte petróleo com a condição de que não esteja fabricando uma arma nuclear.

O Irã, que indicou disposição de trabalhar com a União Europeia sobre o assunto, também pediu aos Estados Unidos que mostrem flexibilidade para resolver três questões restantes que estavam no caminho de um acordo.

Enquanto isso, o chefe da Saudi Aramco, maior exportadora de petróleo do mundo, disse que está pronto para aumentar a produção, apesar dos sinais de desaceleração da economia global.

“Estamos confiantes em nossa capacidade de aumentar para 12 milhões de bpd sempre que houver necessidade ou um pedido do governo ou do ministério de energia para aumentar nossa produção”, disse o CEO da Aramco, Amin Nasser.

O pivô da Aramco na produção ocorreu logo após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), liderada pela Arábia Saudita, sugerir um enfraquecimento na demanda por petróleo até o final do ano.

A Opep bombeou 26,72 milhões de barris por dia em julho, um aumento de 610.000 em relação à estimativa revisada de junho, de acordo com uma pesquisa da mídia. A produção da OPEP aumentou todos os meses desde junho de 2020, exceto fevereiro.

Alguns analistas disseram que ficaram surpresos quando na sexta-feira a Opep revisou para baixo suas expectativas de demanda diária de petróleo para 2022 em 260.000 barris. A Opep costuma usar a demanda mais baixa como desculpa para reduzir a produção e aumentar os preços.

A previsão rebaixada da Opep veio no mesmo dia em que a Agência Internacional de Energia disse que o aumento dos preços internacionais do gás natural pode levar mais consumidores de energia a mudar para o petróleo para fins de aquecimento no final do ano.

Mas a postura aparentemente alterada da Aramco sobre a produção saudita agora surpreendeu mais do que algumas pessoas, já que a empresa estatal raramente assume esse compromisso sem a autorização do ministro da Energia, Abdulaziz bin Salman, ou de seu meio-irmão, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

"A economia chinesa está apontando para baixo, a produção de petróleo dos EUA está aumentando e as principais economias têm problemas que parecem piorar. E a Aramco está sugerindo uma produção mais alta?", John Kilduff, sócio fundador do fundo de hedge de energia de Nova York Again Capital, disse.

Nos Estados Unidos, o pico da temporada de verão está diminuindo e a demanda por combustível deve diminuir ainda mais nas próximas duas semanas, depois que os pais deixarem seus filhos de volta à escola e à faculdade para o novo ano acadêmico que começa em setembro.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.