Presidente do BC diz que novo gasto com auxílio sem compensação pode levar ao aumento da Selic

De acordo com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, se o governo federal "fizer mais um pacote fiscal sem nenhuma contraparte, a mensagem que será passada é que a trajetória da dívida vai continuar a subir"

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, indicou nesta terça-feira (9) que a taxa básica de juros, a Selic, atualmente na mínima histórica de 2% ao ano, pode aumentar se o governo federal colocar em prática uma nova rodada de estímulo emergencial sem uma compensação com um corte de gastos ou alta de tributos. 

A dívida pública federal aumentou 17,9% no ano passado por causa dos gastos com a pandemia. Foi a maior alta da série histórica. O total da dívida chegou a R$ 5,009 trilhões. 

"Se fizer mais um pacote fiscal sem nenhuma contraparte, a mensagem que será passada é que a trajetória da dívida vai continuar a subir e o prêmio de risco que os investidores vão pedir para manter a dívida brasileira pode ter um efeito, uma implicação de qual tipo de política que o Banco Central pode adotar", disse Campos Neto em videoconferência direcionada a investidores internacionais.

Para os mais desamparados na pandemia, o auxílio emergencial foi suspenso em dezembro, mas o governo discutiu a retomada do benefício. De acordo com o coordenador da Cátedra Ruth Cardoso no Insper, Naercio Menezes Filho, apenas em janeiro, 2 milhões de brasileiros foram para a pobreza devido ao fim do auxílio emergencial.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email