Prévia da inflação, IPCA-15 tem deflação de 0,37% em setembro

Apenas três dos nove grupos do índice tiveram queda de preços: Transportes, Comunicação e Alimentação e Bebidas

www.brasil247.com -
(Foto: Ag. Brasil)


Por José de Castro (Reuters) - A prévia da inflação "oficial" caiu mais do que o esperado em setembro e emendou sua segunda deflação consecutiva, ainda influenciada pelo recuo nos preços dos combustíveis, com destaque para a gasolina, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) --uma prévia do IPCA, referência para o regime de metas de inflação-- caiu 0,37% em setembro, após declínio de 0,73% em agosto.

No ano, o IPCA-15 sobe 4,63% e, em 12 meses, avança 7,96%, abaixo dos 9,60% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Analistas consultados pela Reuters haviam projetado recuo de 0,20% na comparação mensal e alta de 8,14% em 12 meses.

Em setembro de 2021, o IPCA-15 havia subido 1,14%.

Na leitura deste mês de setembro, apenas três dos nove grupos do índice tiveram queda de preços: Transportes (-2,35%), Comunicação (-2,74%) e Alimentação e Bebidas (-0,47%), disse o IBGE.

A queda no grupo Transportes se deveu ao recuo nos combustíveis (-9,47%). Etanol (-10,10%), gasolina (-9,78%), óleo diesel (-5,40%) e gás veicular (-0,30%) tiveram seus preços reduzidos.

A gasolina teve o impacto negativo mais intenso entre os 367 subitens pesquisados, tirando 0,52 ponto percentual do índice.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247