Questionado por deputados, Guedes não responde sobre Bolsolão

Ministro da Economia passou quase quatro horas em audiência na CCJ sem falar sobre caso apelidado também de "tratoraço"

(Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Talita Laurino, Metrópoles - O ministro da Economia, Paulo Guedes, ficou quase quatro horas respondendo perguntas sobre a Reforma Administrativa em audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (11/5). Os parlamentares, no entanto, aproveitaram o momento para confrontar o ministro sobre suposto esquema montado pelo governo envolvendo um orçamento secreto de R$ 3 bilhões, revelado pelo O Estado de S.Paulo.

Guedes foi questionado repetidas vezes por deputados da oposição, mas não aprofundou no assunto. Em um único momento, o ministro retrucou dizendo que escândalos envolvendo estatais eram uma especialidade de governos anteriores. “Negócios e escândalos em estatais não são especialidades deste governo, são de outros. Parece que isso não nos atingiu ainda, vamos ver”, afirmou.

Insatisfeitos, alguns parlamentares ainda insistiram no assunto. “Isso é crime de responsabilidade, é prevaricação, desvio de finalidade e improbidade administrativa. Quero saber por que vossa excelência não vetou esse arranjo de corrupção, que é a compra de votos que está sendo feita aí”, perguntou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que não obteve resposta.

Leia mais no Metrópoles.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email