Rossetto: “Todo aumento da riqueza do país será destinado aos bancos”

Ministro do Trabalho do governo Dilma, Miguel Rossetto criticou a proposta do governo interino de limitar os gastos públicos; "O governo Temer decreta que a partir de 2017, por 20 anos, todo aumento da riqueza do país será destinado aos bancos, só aos bancos. Indecente!", ironizou

Ministro do Trabalho do governo Dilma, Miguel Rossetto criticou a proposta do governo interino de limitar os gastos públicos; "O governo Temer decreta que a partir de 2017, por 20 anos, todo aumento da riqueza do país será destinado aos bancos, só aos bancos. Indecente!", ironizou
Ministro do Trabalho do governo Dilma, Miguel Rossetto criticou a proposta do governo interino de limitar os gastos públicos; "O governo Temer decreta que a partir de 2017, por 20 anos, todo aumento da riqueza do país será destinado aos bancos, só aos bancos. Indecente!", ironizou (Foto: Gisele Federicce)

247 - O ministro do Trabalho e Previdência Social do governo Dilma, Miguel Rossetto, criticou nesta quarta-feira 15 a proposta do governo interino de Michel Temer de limitar os gastos públicos. "O governo Temer decreta que a partir de 2017, por 20 anos, todo aumento da riqueza do país será destinado aos bancos, só aos bancos. Indecente!", ironizou.

O governo quer fixar por 20 anos o crescimento anual dos gastos públicos atrelados à inflação passada, com possibilidade de revisão para entrar em vigência do décimo ano, e incluiu as áreas de Saúde e Educação numa medida de arrocho que precisará do aval do Congresso Nacional. A proposta de emenda à Constituição (PEC) será encaminhada nesta quarta-feira ao Legislativo.

No texto, o governo deixou fora dessa regra, entre outros pontos, despesas com eventuais capitalizações de estatais não dependentes, como Petrobras e Banco do Brasil, e transferências constitucionais a Estados e municípios.

Com informações da Reuters

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247