'Se resposta for correta, investimento vai voltar'

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reforça o recado dado pela presidente Dilma Rousseff em pronunciamento e diz que “a maioria das pessoas entende que sem equilíbrio fiscal não vamos crescer”: “Se o balanço for positivo, e houver avaliação de que o governo deu uma resposta correta e que os riscos diminuíram, o investimento vai voltar. Tem que ter paciência”; segundo ele, as medidas tomadas são mais uma reversão de algumas ações ‘anticíclicas’ do que novos impostos ou cortes drásticos

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reforça o recado dado pela presidente Dilma Rousseff em pronunciamento e diz que “a maioria das pessoas entende que sem equilíbrio fiscal não vamos crescer”: “Se o balanço for positivo, e houver avaliação de que o governo deu uma resposta correta e que os riscos diminuíram, o investimento vai voltar. Tem que ter paciência”; segundo ele, as medidas tomadas são mais uma reversão de algumas ações ‘anticíclicas’ do que novos impostos ou cortes drásticos
Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reforça o recado dado pela presidente Dilma Rousseff em pronunciamento e diz que “a maioria das pessoas entende que sem equilíbrio fiscal não vamos crescer”: “Se o balanço for positivo, e houver avaliação de que o governo deu uma resposta correta e que os riscos diminuíram, o investimento vai voltar. Tem que ter paciência”; segundo ele, as medidas tomadas são mais uma reversão de algumas ações ‘anticíclicas’ do que novos impostos ou cortes drásticos (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, retomou o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff e pediu ‘paciência’ à população. “A maioria das pessoas entende que sem equilíbrio fiscal não vamos crescer”, afirmou em entrevista ao ‘Estado de S. Paulo’.

Segundo ele, as medidas tomadas são mais uma reversão de algumas ações ‘anticíclicas’ do que novos impostos ou cortes drásticos: “Queremos simplificar o PIS/Cofins. Isso vai requerer ajustar as alíquotas e diminuir o número de regimes especiais... não vamos ter mais impostos. Vamos ter é mais transparência, eficiência e isonomia entre setores”.

Para Levy, “se o balanço for positivo, e houver avaliação de que o governo deu uma resposta correta e que os riscos diminuíram, o investimento vai voltar. Tem que ter paciência”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247