Sem CPMF, governo estuda elevar Cide e outros tributos

Caso a proposta de recriar a CPMF não seja aprovada pelo Congresso Nacional, o governo federal avalia a possibilidade de elevar a Cide e outros tributos para equilibrar as contas públicas no próximo ano; governo está negociando com o relator do Orçamento 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), a redução na projeção de arrecadação com a volta da CPMF no próximo ano, atualmente em R$ 32 bilhões; Barros, porém, deverá retirar a estimativa de receita com a CPMF do Orçamento devido às incertezas quanto a aprovação da medida

Caso a proposta de recriar a CPMF não seja aprovada pelo Congresso Nacional, o governo federal avalia a possibilidade de elevar a Cide e outros tributos para equilibrar as contas públicas no próximo ano; governo está negociando com o relator do Orçamento 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), a redução na projeção de arrecadação com a volta da CPMF no próximo ano, atualmente em R$ 32 bilhões; Barros, porém, deverá retirar a estimativa de receita com a CPMF do Orçamento devido às incertezas quanto a aprovação da medida
Caso a proposta de recriar a CPMF não seja aprovada pelo Congresso Nacional, o governo federal avalia a possibilidade de elevar a Cide e outros tributos para equilibrar as contas públicas no próximo ano; governo está negociando com o relator do Orçamento 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), a redução na projeção de arrecadação com a volta da CPMF no próximo ano, atualmente em R$ 32 bilhões; Barros, porém, deverá retirar a estimativa de receita com a CPMF do Orçamento devido às incertezas quanto a aprovação da medida (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alonso Soto, Reuters - O governo brasileiro está considerando elevar a Cide e outros tributos para equilibrar as contas públicas no próximo ano, conforme diminuem as esperanças de que o Congresso Nacional aprove a controversa CPMF em tempo, disseram três fontes nesta sexta-feira.

O governo da presidente Dilma Rousseff está em negociações com o relator do Orçamento 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), para reduzir a projeção de arrecadação com a volta da CPMF no próximo ano, atualmente em 32 bilhões de reais.

O deputado informou à Reuters na quinta-feira que vai retirar a estimativa de receita com a CPMF do Orçamento devido às incertezas em relação à aprovação da medida. [nL1N12F36W]

"Estamos em negociações com o relator para incluir uma projeção parcial de receita com a CPMF", disse um assessor da presidente Dilma na condição de anonimato porque o assunto ainda não é público. "O buraco vai ser coberto com uma elevação da Cide e de ouros tributos".

A arrecadação com a CPMF representa metade do pacote de austeridade que a presidente Dilma e a equipe econômica estão tentando implementar para gerar um superávit primário no próximo ano e reconquistar a confiança de investidores.

Mas Dilma perdeu apoio no Congresso, conforme sua popularidade permanece em mínimas recordes e a economia enfrenta sua pior recessão em 25 anos.

Representantes do governo alertaram que o aumento da Cide, que não requer aprovação do Legislativo, poderia pressionar a inflação que já está perto de dois dígitos.

Os Ministérios da Fazenda e do Planejamento não retornaram imediatamente a pedidos de respostas. A reportagem não conseguiu entrar em contato com o deputado Barros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email