Sindicato defende reestatização para salvar a Embraer

Segundo o sindicato, a desistência da Boeing foi uma "reviravolta em uma transação marcada pelo desprezo aos interesses nacionais e dos trabalhadores brasileiros"

(Foto: Roosevelt Cassio/Sindmetalsjc)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – Após a Boeing confirmar rescisão do contrato da compra de parte da Embraer, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos pediu neste sábado (25) a reestatização da empresa brasileira. 

Além disso, entidade afirmou que o governo deveria garantir os empregos dos trabalhadores da companhia. 

"Defendemos que o governo brasileiro cumpra o seu papel em favor da nossa soberania e reestatize a Embraer para que, diante dos efeitos colaterais a serem provocados pela ruptura do acordo, agravados pelas consequências econômicas causadas pela pandemia do coronavírus, os empregos e direitos dos trabalhadores sejam preservados integralmente", diz a nota do sindicato. 

Por meio de um comunicado oficial da empresa norte-americana divulgado hoje, a companhia afirmou que "exerceu seu direito de rescindir" o contrato devido à Embraer "não ter atendido as condições necessárias". O acordo previa que a data limite para a rescisão do contrato terminaria justamente no dia 24 de abril.

'Patrimônio nacional'

O sindicato ressaltou que sempre se colocou contra a venda da Embraer, que segundo a entidade é "um patrimônio nacional estratégico para o país e não precisa de aliança com parceiros internacionais para sobreviver".

Segundo o sindicato, a desistência foi uma "reviravolta em uma transação marcada pelo desprezo aos interesses nacionais e dos trabalhadores brasileiros". 

A entidade disse ainda que o processo de venda teria custado à empresa R$ 485 milhões em 2019, "segundo demonstrativo financeiro da própria Embraer", e exigiu que o prejuízo fosse ressarcido pela Boeing.

Após a decisão da Boeing, a Embraer emitiu nota afirmando que a empresa norte-americana "rescindiu indevidamente o Acordo Global da Operação (MTA) e fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões [R$ 23,5  bilhões]".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247