Singer: política econômica de Meirelles ampliará luta de classes

"Ao escolher Henrique Meirelles, vinculado aos bancos, [Temer] opta pela proposta de fazer cortes estruturais que irão deprimir mais a atividade econômica, em busca das chamadas 'condições fiscais sustentáveis'", diz o colunista André Singer; "A guerra de classes promete esquentar, pois as tesouradas incidirão diretamente sobre o bolso e os direitos dos trabalhadores. Além disso, livre do fardo de ter que defender uma política indefensável, o PT trará o discurso classista à tona, voltando a ter o que dizer na disputa pelas prefeituras. Como ficará o ânimo popular, quando perceber que os empregos continuam a sumir?"

"Ao escolher Henrique Meirelles, vinculado aos bancos, [Temer] opta pela proposta de fazer cortes estruturais que irão deprimir mais a atividade econômica, em busca das chamadas 'condições fiscais sustentáveis'", diz o colunista André Singer; "A guerra de classes promete esquentar, pois as tesouradas incidirão diretamente sobre o bolso e os direitos dos trabalhadores. Além disso, livre do fardo de ter que defender uma política indefensável, o PT trará o discurso classista à tona, voltando a ter o que dizer na disputa pelas prefeituras. Como ficará o ânimo popular, quando perceber que os empregos continuam a sumir?"
"Ao escolher Henrique Meirelles, vinculado aos bancos, [Temer] opta pela proposta de fazer cortes estruturais que irão deprimir mais a atividade econômica, em busca das chamadas 'condições fiscais sustentáveis'", diz o colunista André Singer; "A guerra de classes promete esquentar, pois as tesouradas incidirão diretamente sobre o bolso e os direitos dos trabalhadores. Além disso, livre do fardo de ter que defender uma política indefensável, o PT trará o discurso classista à tona, voltando a ter o que dizer na disputa pelas prefeituras. Como ficará o ânimo popular, quando perceber que os empregos continuam a sumir?" (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em artigo publicado neste sábado (leia aqui), o colunista André Singer afirma que escolha de Henrique Meirelles por Michel Temer para comandar a economia ampliará a luta de classes no País. "Ao escolher Henrique Meirelles, vinculado aos bancos, opta pela proposta de fazer cortes estruturais que irão deprimir mais a atividade econômica, em busca das chamadas 'condições fiscais sustentáveis'", diz ele.

"A guerra de classes promete esquentar, pois as tesouradas incidirão diretamente sobre o bolso e os direitos dos trabalhadores. Além disso, livre do fardo de ter que defender uma política indefensável, o PT trará o discurso classista à tona, voltando a ter o que dizer na disputa pelas prefeituras. Como ficará o ânimo popular, quando perceber que os empregos continuam a sumir?", questiona.

Singer aponta, ainda, que Temer terá que se livrar de Eduardo Cunha – o que potencializa a crise. "Para completar, existe a sombra do aliado Eduardo Cunha. Trata-se do clássico caso em que o executor do trabalho sujo precisa ser eliminado, pois ameaça conspurcar a reputação do mandante. A quem achou que o domingo 17 representava o fim da crise, recomenda-se reforçar o estoque de Rivotril."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email