Taxar grandes fortunas para gerar fundo de combate ao coronavírus, defendem entidades

Fenafisco e outras entidades defendem a regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto na Constituição, para gerar fundos para o combate ao coronavírus

247 -  A regulamentação do do artigo constitucional de tributa as grandes furtunas poderia gerar um Fundo Nacional de Emergência com pelo menos R$ 100 bilhões para serem usados contra a crise econômica que virá com a crise de saúde pública produzida pelo coronavírus. 

É o que defendem a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), os Auditores Fiscais pela Democracia (AFD) e o Instituto Justiça Fiscal (IJF), que divulgaram documento, nesta terça (23), com 14 propostas para serem implementadas a fim de amenizar os impactos econômicos da Covid-19 no país. A informação é do colunista Leonardo Sakamoto, do UOL.

A proposta é criar a Contribuição Social sobre Altas Rendas das Pessoas Físicas (CSPF) que teria incidência imediata sobre rendimentos de qualquer natureza que ultrapassasse R$ 80 mil reais por mês. Ao todo, seriam 194.268 contribuintes (0,7% do total), de onde se arrecadaria R$ 72 bilhões por ano.

A proposta também prevê criar alíquota adicional extraordinária de 30%, com vigência temporária, da CSLL apenas para bancos e instituições financeiras. E aumentar alíquota da CSLL para mineradoras e setores com alta lucratividade e baixo quantidade de empregos.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247