Tombini: não haverá tolerância com inflação

"No futuro, vamos tomar decisões sobre o melhor curso para a política monetária", disse o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, a jornalistas, em um pouco usual comentário a menos de uma semana de o Copom se reunir novamente para definir o futuro da taxa básica de juros, hoje na mínima histórica de 7,25% ao ano

Tombini: não haverá tolerância com inflação
Tombini: não haverá tolerância com inflação (Foto: ANDRE DUSEK)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

RIO DE JANEIRO, 12 Abr (Reuters) - O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta sexta-feira que não haverá tolerância com a inflação e que, neste momento, a autoridade monetária monitora "atentamente" todos os indicadores, levando parte do mercado a acreditar que a Selic será elevada na próxima semana.

"No futuro, vamos tomar decisões sobre o melhor curso para a política monetária", afirmou Tombini a jornalistas, em um pouco usual comentário a menos de uma semana de o Comitê de Política Monetária (Copom) se reunir novamente para definir o futuro da taxa básica de juros, hoje na mínima histórica de 7,25 por cento ao ano.

Tombini, que participa de encontro com presidentes de bancos centrais da América do Sul, foi questionado sobre a forte alta nos mercados futuros de juros nesta manhã, que aumentaram as apostas de início do aperto do ciclo monetário nos próximos dias 16 e 17, e respondeu que a autoridade monetária não comenta sobre reuniões futuras do Copom, mas fez uma ressalva.

"O Banco Central tem dito que não há e não haverá tolerância com a inflação. Nós estamos nesse momento monitorando atentamente todos os indicadores e obviamente no futuro vamos tomar decisões sobre o melhor curso para a política monetária."

Para o estrategista-chefe do banco WestLB, Luciano Rostagno, o fato de Tombini ter dito que monitorará "atentamente" os dados econômicos deixou claro que a porta está aberta para elevação da Selic na próxima semana.

"Em todas as declarações até agora, Tombini não tinha usado essa palavra. Ele sabe que esse atentamente, num comunicado (do Copom), seria para indicar que subiria os juros", afirmou Rostagno, referindo-se a outros momentos em que o BC começou a elevar a Selic.

Pouco antes dos comentários de Tombini, os juros futuros já estavam subindo bastante com declarações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que também disse que o governo combaterá a inflação e, se necessário, o BC elevará a Selic.

(Reportagem de Walter Brandimarte; Reportagem adicional de Camila Moreira em São Paulo; Texto de Patrícia Duarte; Edição de Alexandre Caverni)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247