Volks diz que não há provas de que direção sabia de fraudes

Presidente do Conselho de Supervisão do grupo Volkswagen, Hans Dieter Pötsch, disse que não há provas, até agora, que possam sugerir que os altos níveis de gestão da companhia estejam envolvidos no escândalo mundial de emissões de poluentes; segundo ele, não existe "nenhuma prova de que os membros do Conselho de Supervisão ou os membros do Conselho de Administração estejam implicados"

Presidente do Conselho de Supervisão do grupo Volkswagen, Hans Dieter Pötsch, disse que não há provas, até agora, que possam sugerir que os altos níveis de gestão da companhia estejam envolvidos no escândalo mundial de emissões de poluentes; segundo ele, não existe "nenhuma prova de que os membros do Conselho de Supervisão ou os membros do Conselho de Administração estejam implicados"
Presidente do Conselho de Supervisão do grupo Volkswagen, Hans Dieter Pötsch, disse que não há provas, até agora, que possam sugerir que os altos níveis de gestão da companhia estejam envolvidos no escândalo mundial de emissões de poluentes; segundo ele, não existe "nenhuma prova de que os membros do Conselho de Supervisão ou os membros do Conselho de Administração estejam implicados" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Lusa - O presidente do Conselho de Supervisão do grupo Volkswagen disse hoje (10) que não há provas, até agora, que possam sugerir que os altos níveis de gestão da montadora, incluindo a administração, estejam envolvidos no escândalo de emissões de poluentes.

Hans Dieter Pötsch disse, em coletiva de imprensa na sede da empresa em Wolfsburgo, que não existe "nenhuma prova de que os membros do Conselho de Supervisão ou os membros do Conselho de Administração estejam implicados".

O ex-presidente-executivo da Volkswagen Martin Winterkorn pediu demissão do cargo em setembro, após o escândalo sobre um software que adulterava dados de emissão de gases poluentes, instalado em seus carros a diesel. Em 23 de setembro, o ex-presidente disse estar "chocado com os acontecimentos dos últimos dias".

"Acima de tudo, estou chocado que a má conduta em tal escala foi possível no grupo Volkswagen", afirmou, acrescentando que "a Volkswagen precisa de um novo começo. Estou deixando o caminho limpo para este novo começo com a minha demissão".

No dia seguinte, o grupo alemão anunciava que o presidente da marca de carros desportivos de luxo Porsche, Matthias Mueller, foi escolhido para substituir Winterkorn como presidente executivo do grupo Volkswagen.

A montadora alemã reconheceu ter falsificado dados de emissão de poluentes em 11 milhões de veículos em todo o mundo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email