Presidente da FIFA diz que europeus devem pedir desculpas durante 3 mil anos antes de criticar o Catar

Infantino criticou os críticos europeus da nação anfitriã sobre as questões dos trabalhadores migrantes e dos direitos LGBT

www.brasil247.com - Gianni Infantino
Gianni Infantino (Foto: REUTERS/Matthew Childs)


(Reuters) - O presidente da Fifa, Gianni Infantino, acusou de hipocrisia os críticos do tratamento dado pelo Catar, anfitrião da Copa do Mundo, aos trabalhadores migrantes de hipocrisia, acrescentando que o engajamento é a única maneira de melhorar os direitos humanos.

Em comentários de abertura longos e às vezes raivosos em uma entrevista coletiva na véspera do início do torneio , Infantino criticou os críticos europeus da nação anfitriã sobre as questões dos trabalhadores migrantes e dos direitos LGBT.

"Eu sou europeu. Pelo que temos feito por 3.000 anos em todo o mundo, devemos nos desculpar pelos próximos 3.000 anos antes de dar lições de moral", disse ele.

“Tenho dificuldade em entender as críticas. Temos que investir para ajudar essas pessoas, na educação e para dar a elas um futuro melhor e mais esperança. Todos devemos nos educar, muitas coisas não são perfeitas, mas reformas e mudanças levam tempo.

"Esta lição de moral unilateral é apenas hipocrisia", disse ele.

"Não é fácil aceitar as críticas a uma decisão tomada há 12 anos. Doha está pronta, o Catar está pronto e é claro que será a melhor Copa do Mundo de todos os tempos."

Infantino baseou-se em sua própria experiência como filho de trabalhadores migrantes crescendo na Suíça, dizendo que sofreu bullying por ser italiano e por ter cabelos ruivos e sardas .

“Eu sei o que é ser discriminado (contra), eu sei o que é ser intimidado”, disse ele.

"O que você faz? Você começa a engajar, é isso que a gente deveria estar fazendo... A única forma de conseguir resultados é engajando.

"Acho que as mudanças que aconteceram no Catar talvez não tivessem acontecido, ou pelo menos não nessa velocidade (sem a Copa do Mundo). Obviamente, precisamos manter a pressão, obviamente precisamos tentar melhorar as coisas."

Os comentários de Infantino provocaram uma reação dos defensores dos direitos humanos.

"Ao deixar de lado as críticas legítimas aos direitos humanos, Gianni Infantino está descartando o enorme preço pago pelos trabalhadores migrantes para tornar possível seu principal torneio - bem como a responsabilidade da FIFA por isso", disse Steve Cockburn, da Anistia Internacional.

Cockburn disse que as demandas por uma compensação justa não devem ser "tratadas como uma espécie de guerra cultural".

Nick McGeehan, do grupo de defesa dos trabalhadores migrantes Fair Square, descreveu os comentários de Infantino como "grosseiros" e "desajeitados".

O Qatar disse que é um país acolhedor que não discrimina as pessoas e negou as acusações de abuso de trabalhadores.

Infantino também defendeu a presença do Irã no torneio, apesar da atual onda de protestos mortais desencadeados pela morte de uma mulher sob custódia policial em setembro.

"Não são dois regimes jogando um contra o outro, não são duas ideologias jogando um contra o outro, são dois times de futebol", disse ele.

"Se não tivermos pelo menos o futebol para nos unir... em que mundo vamos viver? No Irã há 80 milhões de pessoas, são todas más? São todas monstros?"

PROIBIÇÃO DA CERVEJA

Abordando a decisão de sexta-feira de proibir a venda de cerveja alcoólica nos estádios durante o torneio, Infantino disse que a Fifa não conseguiu persuadir o governo do Catar a manter a decisão original de permitir isso.

"Tentamos e é por isso que dou a vocês a mudança tardia de política", disse ele. "Tentamos ver se era possível."

Infantino disse ter recebido garantias do mais alto escalão do governo do Catar de que as pessoas LGBT seriam bem-vindas no país para a Copa do Mundo.

As relações entre pessoas do mesmo sexo são ilegais e puníveis com até três anos de prisão no Catar. Algumas estrelas do futebol levantaram preocupações sobre os direitos dos torcedores que viajam para o evento, especialmente indivíduos e mulheres LGBT+, contra os quais grupos de direitos humanos dizem que as leis do Catar discriminam.

Em um encerramento extraordinário da coletiva de imprensa, Bryan Swanson, diretor de assessoria de imprensa da Fifa, pegou o microfone para defender Infantino.

"Tenho visto muitas críticas a Gianni Infantino desde que cheguei à FIFA, principalmente da comunidade LGBTI", disse ele.

"Estou sentado aqui em uma posição privilegiada no palco global como um homem gay aqui no Catar. Ele recebeu garantias de que todos serão bem-vindos... Só porque Gianni Infantino não é gay, não significa que ele não se importe. Ele se importa."

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247