Presidente de Federação de Futebol da Bolívia é preso durante jogo

Rodriguez foi detido quando a seleção nacional disputava Eliminatórias

(Foto: Reuters/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O presidente interino da Federação de Futebol da Bolívia (FBF) foi detido pela polícia na noite de ontem (12) durante jogo das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo contra o Equador, devido a alegações de corrupção, disse um associado. Policiais à paisana surpreenderam Marco Rodríguez na arquibancada com jogadores que não atuavam na partida realizada no estádio Hernando Siles de La Paz, na capital.

Alguns times e o sindicato de jogadores profissionais da Bolívia acusaram Rodríguez de corrupção e lucro ilegal, além de não ter acatado uma ordem judicial que o obriga a deixar a presidência da FBF. Várias facções estão disputando o controle da entidade, e votações para escolher o ocupante da presidência entre 2020 a 2022 estão agendadas para hoje (13) e amanhã (14).

"Acreditamos que houve má fé aqui, acreditamos que o objetivo final é não ter uma eleição", disse Gaston Uribe, diretor-executivo da FBF e associado próximo de Rodríguez. E acrescentou: "A polícia veio com uma comissão especial para apreender Marco Rodríguez", disse Uribe ao canal de televisão ATB.

Uribe disse que Rodríguez sofreu problemas mentais súbitos quando a polícia tentou transferi-lo de La Paz para a cidade de Santa Cruz para continuar o processo judicial, e que ele foi hospitalizado.

O Equador venceu o jogo por 3 x 2 graças a um pênalti no final.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247