96% dos mineiros rejeitam o auxílio-moradia

96% dos mineiros são contra o uso de dinheiro público para arcar com gastos de moradia, atualmente com valor de R$ 4377,73, para políticos, juízes e promotores e discordam da disponibilização de apartamentos funcionais para deputados senadores em Brasília; segundo pesquisa realizada pelo jornal O Tempo, apenas 2,5% dos entrevistados concordam com esse benefício

Luiz Fux toma posse no TSE
Luiz Fux toma posse no TSE (Foto: Charles Nisz)

Minas 247 - 96% dos mineiros são contra o uso de dinheiro público para arcar com gastos de moradia, atualmente com valor de R$ 4377,73, para políticos, juízes e promotores e discordam da disponibilização de apartamentos funcionais para deputados senadores em Brasília. Segundo pesquisa realizada pelo jornal O Tempo, apenas 2,5% dos entrevistados concordam com esse benefício. Outros 0,8% defendem o pagamento da verba desde que o político não resida na capital federal.

Quando questionados sobre a utilização de moradias funcionais para autoridades,  97,2% das pessoas são contra e 0,6% avalizam o uso. Outros 0,9% aprovam que os parlamentares residam no local durante o mandato, e 1,3%, por tempo suficiente para que eles se estabeleçam em Brasília. O assunto ganhou força nas últimas semanas após ser revelado que o juiz federal Sergio Moro, responsável por casos da operação Lava Jato, recebia o benefício, mesmo com casa própria em Curitiba. 92,8% dos mineiros reprovam o pagamento dessa vantagem para juízes e membros do Ministério Público.

Já para 81% dos eleitores de MG, é inaceitável que um juiz receba auxílio-moradia mesmo casado com outro magistrado que tenha direito ao benefício. Outros 15,8% acreditam que o pagamento da rubrica deveria ser feito apenas para um deles. Em número menor, 3,2% afirmam que ambos deveriam ganhar a vantagem. O tema será discutido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 22 de março - a Suprema Corte vai decidir sobre a legalidade do recebimento do benefício por juízes federais. O benefício foi instituído por liminar julgada pelo ministro Luiz Fux (foto).

A maioria dos entrevistados no Estado diz que o valor do auxílio-moradia deveria ser de R$ 963,62 e também rejeita o pagamento do auxílio-paletó a políticos. Os mineiros ainda são contrários a verbas para transporte de autoridades.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247