A crise de falta de pilotos que é 'maior ameaça à aviação desde o 11 de Setembro'

Após dois ​​anos de pandemia, o número de voos ao redor do mundo voltou a disparar neste verão do hemisfério norte

www.brasil247.com -
(Foto: Arnd Wiegmann/Reuters)


247 - Após dois ​​anos de pandemia, o número de voos ao redor do mundo voltou a disparar neste verão do hemisfério norte: milhões de pessoas fizeram as malas e foram a aeroportos em busca de novos destinos, reencontros e aventuras. A reportagem é do portal BBC.

As companhias aéreas, um dos setores mais afetados pela pandemia de covid-19 com milhares de voos cancelados, aviões sem passageiros e demissões em massa, voltaram a recuperar espaço neste ano. Algumas até reportaram os seus primeiros lucros desde 2019.

No entanto, uma nova crise estava à vista. Com a chegada do verão no hemisfério norte, a oferta de voos pelas companhias caiu abaixo da demanda e muitas empresas tiveram que cancelar viagens, milhares de passageiros ficaram retidos nos aeroportos por dias e alguns até não conseguiram receber sua bagagem por algumas semanas.

O setor também enfrenta uma crise de pessoal significativa, o que levou alguns aeroportos do mundo, como o de Heathrow, em Londres, a pedir às empresas que reduzam seus voos por não conseguirem dar conta do número de passageiros.

Em vários aeroportos há falta de funcionários, aviões com poucos tripulantes e acúmulo recorde de malas e bagagem – boa parte das empresas aéreas também viu o número de pilotos diminuir consideravelmente, o que fez aumentar o número de voos cancelados.

Para muitos analistas e executivos, esses problemas são o maior desafio para o setor.

"A falta de pilotos é a maior ameaça à indústria que vi desde os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos", disse Jonathan Ornstein, CEO do Mesa Air Group, ao Congresso dos EUA.

Embora a falta de pilotos tenha afetado a indústria em todo o mundo, os Estados Unidos sentiram o problema de maneira mais intensa. As principais companhias aéreas anunciaram planos para contratar entre 12 mil e 13 mil comandantes neste ano e em 2023 - e cerca de 8.000 em 2024.

Algumas companhias até tiveram que diminuir ou modificar seus requisitos ou procurar pilotos em outros países: a Frontier Airlines está contratando na Austrália, a Delta Air Lines eliminou parte de sua exigência de contratar comandantes de voo e outras, como a American Airlines, começaram a usar ônibus para viagens anteriormente feitas de avião.]

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email