“Acho muito pouco o valor do auxílio-moradia”, diz novo presidente do TJ-SP

O novo presidente do TJ-SP, Manoel Pereira Calças, defendeu o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil pago à magistratura e classificou o valor pago como "pouco"; ele disse concordar com o auxílio, mesmo a magistrados que possuem casa própria na cidade onde trabalham; "Sim, porque o auxílio-moradia é previsto na lei orgânica da magistratura. Eu recebo e tenho vários imóveis", acrescentou

O novo presidente do TJ-SP, Manoel Pereira Calças, defendeu o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil pago à magistratura e classificou o valor pago como "pouco"; ele disse concordar com o auxílio, mesmo a magistrados que possuem casa própria na cidade onde trabalham; "Sim, porque o auxílio-moradia é previsto na lei orgânica da magistratura. Eu recebo e tenho vários imóveis", acrescentou
O novo presidente do TJ-SP, Manoel Pereira Calças, defendeu o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil pago à magistratura e classificou o valor pago como "pouco"; ele disse concordar com o auxílio, mesmo a magistrados que possuem casa própria na cidade onde trabalham; "Sim, porque o auxílio-moradia é previsto na lei orgânica da magistratura. Eu recebo e tenho vários imóveis", acrescentou (Foto: Leonardo Lucena)

SP 247 - Ao tomar posse nesta segunda-feira (50), o novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Manoel Pereira Calças, defendeu o auxílio-moradia de R$ 4,3 mil pago à magistratura e classificou o valor pago como "pouco". Calças frisou que o subsídio consta da Lei Orgânica da Magistratura. Disse, porém, que o tema "é controverso".

Ele afirmou concordar com o auxílio, mesmo a magistrados que possuem casa própria na cidade onde trabalham. "Sim, porque o auxílio-moradia é previsto na lei orgânica da magistratura. Eu recebo e tenho vários imóveis", acrescentou.

O novo presidente do TJ-SP criticou a maneira como a imprensa aborda os casos de auxílio-moradia. Segundo ele, alguns imóveis que os magistrados possuem são fruto de herança. "Imagine os riscos aos filhos. A imprensa vai violentar a intimidade dele [do magistrado que tem a casa exposta em reportagem]", disse.

Calças administrará um orçamento de R$ 11,6 bilhões para este ano. De acordo com a assessoria do TJ, são 21,3 milhões de processos de primeiro grau, a maioria (57%) são execuções fiscais, e 667 mil de segundo grau.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247