Acionistas da Inmarsat vão contra remuneração de executivos da empresa

O lucro operacional caiu 4,5 por cento, para 174,9 milhões de dólares, refletindo, segundo a empresa, menor demanda governamental no trimestre.

Acionistas da Inmarsat vão contra remuneração de executivos da empresa
Acionistas da Inmarsat vão contra remuneração de executivos da empresa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - Os investidores da Inmarsat votaram contra o relatório de remuneração da empresa britânica de satélites, deixando claro a insatisfação com o pagamento dos executivos em um ano em que as ações da empresa caíram 35 por cento.

Cerca de 58,5 por cento dos acionistas votaram contra o relatório em uma votação não vinculante na reunião geral anual da empresa nesta quarta-feira.

O presidente Andrew Sukawaty disse que reconhece que os acionistas estão preocupados e que os consultaria antes da reunião geral anual do próximo ano, quando será apresentada uma nova política de remuneração.

O presidente-executivo Rupert Pearce recebeu 1,88 milhão de libras (2,56 milhões de dólares) em 2017, segundo o relatório anual.

Mais cedo nesta quarta-feira, a empresa disse que a crescente demanda por wifi nos voos ajudou a empresa a ter um bom início de ano, elevando suas ações em até 10 por cento.

A Inmarsat, que fornece comunicações para navios, aeronaves e governos, registrou um aumento de 5 por cento na receita do primeiro trimestre, a 345,4 milhões de dólares.

O lucro operacional caiu 4,5 por cento, para 174,9 milhões de dólares, refletindo, segundo a empresa, menor demanda governamental no trimestre.

Pearce disse que foi um sólido início de ano, com um bom desempenho das operações marítimas e dos serviços de aviação.

“Um crescimento geral de 5 por cento na receita é um bom desempenho em condições difíceis de mercado”, disse ele à Reuters em entrevista por telefone após os resultados.

Pearce disse que a empresa tem um desempenho particularmente bom na aviação, impulsionado pela conectividade em voo para companhias aéreas comerciais. O número de aeronaves com o serviço Global Xpress instalado subiu para 245 no final do primeiro trimestre ante 194 no final do ano passado.

Por Paul Sandle

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247