Aécio deve levar PSDB a morrer abraçado com o golpe

Apesar do recorde de impopularidade de Michel Temer, aprovado por apenas 4% dos brasileiros, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) segue garantindo o apoio dos tucanos ao governo; em jantar com o peemedebista ontem, ficou decidido que o mineiro trabalhará para convencer os parlamentares do PSDB a apoiar as reformas propostas pelo governo: além da Previdência, também a das mudanças na legislação trabalhista, que agora tramita no Senado; a bancada tucana está bastante dividida quanto à questão, mas Aécio tem pressionado pela fidelidade integral ao governo peemedebista 

aecio neves
michel temer
aecio neves michel temer (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a bancada do PSDB na Câmara dos Deputados rachada sobre a proposta de reforma da Previdência, governadores do partido, ministros e o presidente de honra Fernando Henrique Cardoso delegaram ao presidente da sigla, senador Aécio Neves (MG) a missão de convencer os parlamentares a apoiar as reformas propostas pelo governo: além da Previdência, também a das mudanças na legislação trabalhista, que agora tramita no Senado.

A depender da evolução das conversas, Aécio foi autorizado pelos tucanos a convocar a executiva do partido para fechar questão em favor das medidas.

As informações são de reportagem do Valor

"A estratégia foi posta à mesa em jantar da cúpula do PSDB, ontem com o Michel Temer e o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR). Os tucanos deixaram claro que o apoio às reformas é um compromisso do PSDB. Por mais impopulares que sejam, o próprio partido, quando do impeachment de Dilma Rousseff, atrelou seu apoio a Temer à proposição de reformas. Portanto, alegaram, seria incoerente ter contribuído na deposição de Dilma e, agora, abandonar Temer com as reformas em curso.

Os caciques da sigla, contudo, fizeram cobranças a Temer. Uma pesquisa encomendada pelo partido mostrou que a imagem do PSDB está sendo mais vinculada às reformas - e por consequência, sofrendo mais desgaste - que a do próprio PMDB do presidente. Isso foi colocado a Temer. Jucá então relatou que tem feito esforços para que os deputados do PMDB fechem questão em prol da reforma da previdência na Câmara.

No Senado, a situação é mais delicada: PMDB e Planalto ainda avaliam como resolver o impasse com Renan Calheiros (AL), líder da bancada e radicalmente contra as reformas. A dissidência de Renan incomoda o PSDB."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247