Aécio diz ser alvo de “ardilosa armação de criminosos confessos”

Líder do golpe, senador tucano diz receber "com serenidade" a decisão da 1ª Turma do STF, que o tornou réu por corrupção e obstrução de Justiça, e que é "acusado tendo como base uma ardilosa armação de criminosos confessos", e que denúncias contra ele "foram construídas sobre sucessivas ilegalidades"; Aécio Neves foi flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista e falando em matar o primo, que receberia o dinheiro

Senador Aécio Neves durante sessão do Senado, em Brasília 18/10/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino
Senador Aécio Neves durante sessão do Senado, em Brasília 18/10/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Líder do golpe que derrubou Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) diz ter recebido "com serenidade" a decisão da 1ª Turma do STF, que o tornou réu por corrupção e obstrução de Justiça nesta terça-feira 17. Ele diz ser "acusado tendo como base uma ardilosa armação de criminosos confessos" e afirma que denúncias contra ele "foram construídas sobre sucessivas ilegalidades".

Leia a íntegra da nota divulgada por ele:

"Recebo com serenidade a decisão da 1ª Turma do STF, confiante de que, agora, haja espaço para a apresentação e avaliação das provas da defesa.

Estou sendo acusado tendo como base uma ardilosa armação de criminosos confessos, aliados a membros do Ministério Público, que construíram um enredo para aparentar que cometi alguma ilegalidade. Não cometi crime algum.

Minha prioridade será apresentar à Justiça todos os fatos que demonstram a absoluta correção dos meus atos e de meus familiares. Não tenho dúvida de que isso será demonstrado. A verdade há de prevalecer.

Não posso deixar de alertar que as denúncias que hoje a mim fazem foram construídas sobre sucessivas ilegalidades. É preciso que a Justiça reconheça em definitivo que não se pode considerar válidas denúncias originadas de um flagrante armado com o intuito de gerar impressão de crime, já que não há qualquer prova de que crime houve.

É preciso ainda esclarecer que a atividade parlamentar não pode ser criminalizada por aqueles que não concordam com opiniões e propostas apresentadas por deputados e senadores. E isso não em meu benefício, e sim em respeito à lei, à democracia.

Não esmorecerei enquanto não provar minha inocência. Vou fazê-lo em respeito à minha vida pública, à minha família e aos milhares de brasileiros, e especialmente mineiros, que confiaram em mim durante 32 anos de mandatos consecutivos."

Aécio Neves

Brasília, 17 de abril de 2018.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247