Aécio foge de Dilma, mas pode encontrar maior rival na Câmara

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) confessou a aliados que pode disputar uma vaga a deputado federal, livrando-se de uma disputa com a ex-presidente Dilma Rousseff, mas poderá dar de cara com aquele que é tido como seu mais combativo adversário na política mineira, o atual deputado estadual Rogério Correia (PT), pré-candidato a deputado federal

Aécio foge de Dilma, mas pode encontrar maior rival na Câmara
Aécio foge de Dilma, mas pode encontrar maior rival na Câmara (Foto: Esq.: Moreira Mariz - Ag. Senado / Dir.: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) confessou a aliados que pode disputar uma vaga a deputado federal nas eleições de outubro, conforme reportagem do Globo da terça-feira (17). O tucano estaria livre de uma disputa com a ex-presidente Dilma Rousseff, de quem já perdeu duas vezes, no primeiro e segundo turnos da eleição presidencial, em 2014, mas, se for eleito, poderá dar de cara, pela primeira vez em sua atividade política, com aquele que é tido como seu mais combativo adversário na política mineira, o atual deputado estadual Rogério Correia (PT), pré-candidato a deputado federal, valendo-se principalmente da notoriedade adquirida após anos de denúncias contra o chamado aecismo em Minas – representado por Aécio Neves e também por seu sucessor, Antonio Anastasia.

Atualmente, as denúncias são inquéritos judiciais, como a chamada Lista de Furnas, as propinas nas obras da Cidade Administrativa ou a publicidade estatal na rádio da família Neves, foram feitas pelo parlamentar petista de Minas há pelo menos dez anos.

Ao longo de seis anos, a mando de Aécio, o PSDB tentou cassar o mandato de Correia, com diversos requerimentos na Comissão de Ética da Assembleia Legislativa. Em novembro do ano passado, porém, o Conselho Superior do Ministério Público de Minas Gerais decidiu por unanimidade pelo arquivamento do inquérito. Admitiu que a Lista de Furnas não é produto de falsificação incentivada por Correia – como alegavam Aécio e o PSDB. 

Também vale ressaltar que, em 2011, o deputado estadual chegou a ser alvo de reportagem de capa da revista Veja, em 2011, que o acusava de usar seu gabinete na Assembleia para fabricar uma lista falsa contra Aécio Neves – a conhecida, e atualmente comprovadamente verdadeira, Lista de Furnas. "Naquela época, os tucanos tinham uma força descomunal aqui em Minas", diz Rogério Correia, em entrevista ao 247. “Dominavam o aparelho estatal, a mídia e mantinham laços estreitos com grandes segmentos do Judiciário”.

A rivalidade com Correia levou Aécio a procurar um companheiro de partido do deputado estadual, o federal petista Gabriel Guimarães. Em um dos áudios feitos pela Polícia Federal no âmbito das investigações sobre a propina da JBS, Aécio chegou a pedir que segurassem "o louco" Rogério Correia.

A ameaça era em tom de chantagem. “Senão vou mandar os caras da Assembleia responder, e a resposta sabe como é, é em cima dele, é ruim”, disse Aécio, em “recado” para o governador Fernando Pimentel. "Entra nesse circuito aí logo hoje para ver se baixa essa bola. O cara já foi lá na Procuradoria, protocolou fez pedido de investigação, isso aquilo…", complementou Aécio Neves.

O "cara" a que ele se refere é o próprio Correia, que pedia investigações sobre a rádio Arco Íris, que pertencia à família Neves e estava envolvida em esquemas de favorecimento em publicidades do governo estadual, na época gerido por Antonio Anastasia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247