Aeroportos de SP podem perder prazo para a Copa

Reportagem da Folha de S.Paulo aponta para atrasos na obtenção de licenças para o início das obras; consórcios, porém, prometeram terminais prontos até o Mundial de 2014

Aeroportos de SP podem perder prazo para a Copa
Aeroportos de SP podem perder prazo para a Copa (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Segundo reportagem da Folha de S.Paulo nesta sexta-feira 6, os aeroportos internacionais de Guarulhos e Campinas, em São Paulo, não conseguirão concluir suas obras até o Mundial em 2014. Em leilão vencido em fevereiro deste ano, os consórcios responsáveis pelas obras garantiram que os terminais funcionariam até o evento, mas o cenário não é otimista.

Confira a reportagem na íntegra:

Cresce risco de aeroportos perderem o prazo da Copa

DIMMI AMORA

Os dois aeroportos internacionais de São Paulo, de Guarulhos e Campinas, não têm ainda as licenças ambientais para dar início às obras de ampliação dos terminais de passageiros, que correm o risco assim de não ficarem prontas até a Copa de 2014.

As obras, estimadas em R$ 1,2 bilhão, estão sob a responsabilidade de consórcios privados que venceram o leilão em fevereiro. Na assinatura dos contratos de concessão, os responsáveis garantiram que operariam na Copa com os novos terminais.

As duas unidades já têm as licenças prévias -em geral, a parte mais complexa-, mas, para começar a obra, são necessárias licenças de instalação e operação. O prazo para o órgão emitir cada documento é de seis meses.

No caso de Guarulhos, o pedido de licença de instalação para a obra ainda não foi feito à Cetesb, órgão responsável pelo licenciamento. A terraplanagem já está quase terminada, mas é necessária uma licença específica para a construção do terminal.

Em Campinas, o consórcio Aeroportos Brasil ingressou com o pedido de licença de instalação anteontem.

Os processos de licenciamento de grandes empreendimentos costumam demorar mais que o tempo da lei.

Simone Pachoal Nogueira, sócia da área ambiental do Siqueira Castro Advogados, analisou os riscos ambientais dos projetos e disse que as licenças prévias tinham lacunas, o que implica muitas exigências para as seguintes.

A situação de outros dois grandes aeroportos com obras novas para a Copa, Brasília (DF) e Confins (MG), não é melhor. Nenhum deles pediu a licença de instalação das obras, estimadas em R$ 1,6 bilhão.

Confins não tem nem mesmo a licença prévia. Em Brasília, ainda não foi pedida a licença de instalação do novo terminal de passageiros.

A Infraero informou que Confins tem complexidades pelo fato de estar numa área de interesse arqueológico. Todos os consórcios disseram estar agilizando os procedimentos para as licenças.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247