Alckmin, o santo da Odebrecht, é blindado e fica fora da Lava Jato

A ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça, determinou nesta quarta-feira 11 que o inquérito que investiga o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) seja enviado à Justiça Eleitoral do Estado; a decisão foi tomada após pedido da Procuradoria Geral da República, que num gesto de blindagem do tucano, pediu que o caso não fosse parar na Lava Jato em São Paulo, conforme pediram os procuradores da operação

alckmin odebrecht
alckmin odebrecht (Foto: Gisele Federicce)

247 - A ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça, determinou nesta quarta-feira 11 que o inquérito que investiga o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) seja enviado à Justiça Eleitoral do Estado. A decisão foi tomada após pedido da Procuradoria Geral da República, que num gesto de blindagem do tucano, pediu que o caso não fosse parar na Lava Jato em São Paulo, conforme pediram os procuradores da operação.

O inquérito corria no STJ por conta do foro privilegiado de Alckmin quando estava no cargo de governador. Desde que ele deixou o cargo, na última sexta-feira 6, o tucano perdeu a prerrogativa de foro, o que levou a força-tarefa da Lava Jato em São Paulo pedir ao STJ "urgência" no envio de seu inquérito para a primeira instância.

Alckmin é investigado porque ex-executivos da Odebrecht delataram à Lava Jato que a empreiteira fez repasses de dinheiro para campanhas do tucano ao governo paulista e que os valores não foram declarados oficialmente na prestação de contas eleitorais. O cunhado de Alckmin, Adhemar César Ribeiro, recebeu parte desse montante em dinheiro, de acordo com os delatores.

Questionado sobre o caso nesta quarta-feira 11, Alckmin declarou: "A delação é de natureza eleitoral e sem nenhuma procedência. Isso vai ficar claro, é só aguardar um pouquinho".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247