Alckmin paga aluguel milionário, mas deixa prédio vazio há oito anos em SP

O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) mantém desocupado um edifício de  18 andares e 11 mil metros quadrados de área construída a menos de duas quadras da estação Anhangabaú do metrô, e a três da estação República. No local, funcionou a sede do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, Ipesp, até 2009; enquanto não lhe davam uso, diferentes órgãos estaduais assinaram aluguéis milionários e a secretaria responsável pelo imóvel construiu uma nova sede; novo Ipesp paga quase R$ 1 milhão de aluguel anualmente por sua sede na avenida Brigadeiro Luís Antonio

O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) mantém desocupado um edifício de  18 andares e 11 mil metros quadrados de área construída a menos de duas quadras da estação Anhangabaú do metrô, e a três da estação República. No local, funcionou a sede do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, Ipesp, até 2009; enquanto não lhe davam uso, diferentes órgãos estaduais assinaram aluguéis milionários e a secretaria responsável pelo imóvel construiu uma nova sede; novo Ipesp paga quase R$ 1 milhão de aluguel anualmente por sua sede na avenida Brigadeiro Luís Antonio
O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) mantém desocupado um edifício de  18 andares e 11 mil metros quadrados de área construída a menos de duas quadras da estação Anhangabaú do metrô, e a três da estação República. No local, funcionou a sede do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, Ipesp, até 2009; enquanto não lhe davam uso, diferentes órgãos estaduais assinaram aluguéis milionários e a secretaria responsável pelo imóvel construiu uma nova sede; novo Ipesp paga quase R$ 1 milhão de aluguel anualmente por sua sede na avenida Brigadeiro Luís Antonio (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) mantém desocupado um edifício de  18 andares e 11 mil metros quadrados de área construída a menos de duas quadras da estação Anhangabaú do metrô, e a três da estação República. No local, funcionou a sede do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, Ipesp, até 2009.

Enquanto não lhe davam uso, diferentes órgãos estaduais assinaram aluguéis milionários e a secretaria responsável pelo imóvel construiu uma nova sede.

O esvaziamento do prédio foi iniciado quando o Ipesp foi desmembrado em dois órgãos, a SPPrev e o novo Ipesp (Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo, que só atende advogados e funcionários de cartórios). Os dois órgãos recém-criados saíram dali e alugaram imóveis na valorizada região da avenida Paulista.

O edifício desocupado foi transferido em 2010 para a Secretaria de Fazenda, que ali instalaria a Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp).

No ano seguinte, no entanto, a Jucesp passou para a órbita da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, que passou a ser responsável pelo imóvel. De acordo com o governo do Estado, a Jucesp orçou em R$ 18 milhões a reforma e a adaptação do imóvel e acabou desistindo da mudança. A secretaria de Desenvolvimento Econômico acabou construindo uma nova sede, a um custo de R$ 15,6 milhões, com 6.000 metros quadrados, pouco mais que a metade do prédio vazio que lhe pertencia.

A SPPrev paga R$ 9,5 milhões por ano pelos 1.525 metros quadrados que ocupa em um imóvel na rua Bela Cintra, vizinho à avenida Paulista. O novo Ipesp paga quase R$ 1 milhão de aluguel anualmente por sua sede na avenida Brigadeiro Luís Antonio.

As informações são da Folha de S. Paulo

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247