Alckmin sobre Bolsonaro: “Acho um atraso. Você não cria emprego a bala”

Em Salvador, onde recebeu o título de cidadão, Geraldo Alckmin (PSDB), mudou o estilo para tentar sobreviver como candidato a presidente; com apenas 5% das intenções de votos na Bahia, ele disse que a candidatura de Bolsonaro é um atraso porque problemas de emprego e saúde não são resolvidos a bala; Alckmin também criticou Ciro Comes, que acusou o governo paulista de ter feito acordo com o PCC

Alckmin sobre Bolsonaro: “Acho um atraso. Você não cria emprego a bala”
Alckmin sobre Bolsonaro: “Acho um atraso. Você não cria emprego a bala” (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 – Em Salvador, onde recebeu nesta quinta-feira (7) recebeu o título de cidadão baiano na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o pré- candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin (PSDB), mudou o estilo na tentativa desesperada de tentar sobreviver como nome alternativo para 2018 e partiu para o ataque.

Com razão, os alvos do seu novo discurso duro foram os presidenciáveis Jair Bolsonaro e Ciro Gomes. Sobre o deputado federal Alckmin afirmou que Bolsonaro é um “caranguejo que anda para trás”. “Eu acho que é um atraso. O que anda para trás é caranguejo. O Brasil quer ir para frente. Você não vai criar emprego a bala. Você vai é com competitividade, confiança e investimento. Você não vai resolver o problema de saúde a bala. Eu sou médico e tenho dever de melhorar a saúde. Você não vai melhor a qualidade da educação a bala. É uma coisa totalmente atrasada”.

Quanto a Ciro, o ex-governador de São Paulo chamou de “ridícula” uma declaração do ex-ministro Ciro Gomes. No programa Roda Viva, o pedetista afirmou que o governo de São Paulo, que foi comandado por Alckmin, fez um acordo com o PCC, facção criminosa paulista.

Geraldo Alckmin aparece na pesquisas na Bahia com apenas 5% das intenções de votos, segundo levantamento do instituto Paraná Pesquisas divulgado na semana passada.

Leia aqui reportagem de Rodrigo Daniel Silva na Tribuna da Bahia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247