Aloysio diz que derrota do chavismo traz "novo alento para a democracia"

Senador tucano Aloysio Nunes (PSDB-SP), que no Brasil defende o golpe contra a presidente Dilma Rousseff, diz que o resultado das eleições legislativas venezuelanas, que derrotaram o presidente Nicolás Maduro, "assim como a vitória de Maurício Macri na Argentina, traz novo alento para a democracia na América do Sul"

aloysio nunes
aloysio nunes (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Aloysio Nunes (PSDB), que também preside a Comissão de Relações Exteriores do Senado, comemorou o que chamou de "vitória acachapante da oposição nas eleições legislativas" da Venezuela. Segundo ele, que defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o resultado da eleições venezuelana "assim como a vitória de Maurício Macri na Argentina, traz novo alento para a democracia na América do Sul".

Para o tucano, apesar do presidente Nicolás Maduro ter reconhecido a derrota, "é preciso permanecer atento" e "o governo brasileiro não pode permanecer indiferente diante do fato de que o Maduro mantém presos líderes opositores, como Leopoldo López, Antonio Ledezma e Daniel Ceballos, nem ignorar que políticos com expressiva votação, como a deputada María Corina Machado, tiveram seus mandatos arbitrariamente cassados e não puderam participar do último pleito".

Aloíso Nunes também observa que "a reparação dessas injustiças é incomparável aos compromissos democráticos assumidos pelo Brasil e pela Venezuela na OEA. Essas injustiças merecem o repúdio do Mercosul, na sua próxima Cúpula, em Assunção".

Confira abaixo a íntegra da nota do senador Aloysio Nunes sobre as eleições legislativas da Venezuela.

A vitória acachapante da oposição nas eleições legislativas desta madrugada demonstra o forte repúdio do povo venezuelano ao autoritarismo bolivariano, hoje, em toda parte, sinônimo de inflação galopante, corrupção endêmica e falta de segurança. Esse resultado, assim como a vitória de Maurício Macri na Argentina, traz novo alento para a democracia na América do Sul.

O presidente Nicolás Maduro reconheceu a derrota, mas é preciso permanecer atento. O governo brasileiro, que externou ainda que
tardiamente preocupação em relação à escalada autoritária na Venezuela, não pode agora simplesmente recolher-se.

A oposição enfrentou uma campanha desigual e terá que atuar em um ambiente institucional que ainda traz a marca do autoritarismo bolivariano, como assinalou o Secretário-Geral da OEA, Luís Almagro, em sua carta aberta ao Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela.

O governo brasileiro não pode permanecer indiferente diante do fato de que o Maduro mantém presos líderes opositores, como Leopoldo López, Antonio Ledezma e Daniel Ceballos, nem ignorar que políticos com expressiva votação, como a deputada María Corina Machado, tiveram seus mandatos arbitrariamente cassados e não puderam participar do último pleito.

A reparação dessas injustiças é incomparável aos compromissos democráticos assumidos pelo Brasil e pela Venezuela na OEA. Essas injustiças merecem o repúdio do Mercosul, na sua próxima Cúpula, em Assunção.

A nova equação política parlamentar na Venezuela deve contribuir para trazer o país à racionalidade econômica e à normalidade democrática. O Brasil, pelo seu peso na região, pode e tem de ajudar nesse processo, mesmo no momento em que também atravessa dificuldades econômicas e políticas.

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)
Presidente da Comissão de Rela

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247