Amastha: não haverá negociação com professores grevistas

Ao comentar a greve de parte dos professores da rede municipal, o prefeito de Palmas, Carlos Amastha, pediu aos aos grevistas que retornem para sala de aula; de acordo com o chefe do executivo municipal, o movimento não é legal; “A Justiça declarou a greve ilegal três vezes. Ninguém vai negociar absolutamente nada em uma greve que foi declarada ilegal 24 horas depois de ter sido deflagrada”, acrescentou ele, durante coletiva de imprensa

Ao comentar a greve de parte dos professores da rede municipal, o prefeito de Palmas, Carlos Amastha, pediu aos aos grevistas que retornem para sala de aula; de acordo com o chefe do executivo municipal, o movimento não é legal; “A Justiça declarou a greve ilegal três vezes. Ninguém vai negociar absolutamente nada em uma greve que foi declarada ilegal 24 horas depois de ter sido deflagrada”, acrescentou ele, durante coletiva de imprensa
Ao comentar a greve de parte dos professores da rede municipal, o prefeito de Palmas, Carlos Amastha, pediu aos aos grevistas que retornem para sala de aula; de acordo com o chefe do executivo municipal, o movimento não é legal; “A Justiça declarou a greve ilegal três vezes. Ninguém vai negociar absolutamente nada em uma greve que foi declarada ilegal 24 horas depois de ter sido deflagrada”, acrescentou ele, durante coletiva de imprensa (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - O prefeito de Palmas, Carlos Amastha, pediu aos professores grevistas que retornem para sala de aula e disse que o movimento não é legal.

“A Justiça declarou a greve ilegal três vezes. Ninguém vai negociar absolutamente nada em uma greve que foi declarada ilegal 24 horas depois de ter sido deflagrada”, acrescentou ele, nesta terça-feira (19), durante coletiva de imprensa.

Amastha disse que a prefeitura trabalha para que até o final de dezembro todos os servidores recebam a data-base. Segundo o prefeito, três dias antes de ser deflagrada a greve, 64% dos servidores públicos haviam recebidos a data-base, em agosto. Foram pagos R$ 600 mil aos profissionais da educação, referentes à primeira das parcelas, como fora prometido. “Até o final de dezembro, todos os servidores receberão a data base”, acrescentou.

O prefeito falou sobre os critérios adotados para o pagamento da data base e afirmou que, de 2013 até esta terça, foram pagos mais de R$ 14 milhões relativamente à evolução funcional dos servidores da Educação, atingindo um número de 6.673 benefícios.

De acordo com Amastha, somente em 31 de agosto de 2017 foram pagos R$ 360.078,57 a 1.941 servidores, relativos à primeira das 24 parcelas que totalizará R$ 8.641.885,68, cumprindo o acordo firmado com a categoria.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247