Anastasia: PSDB não tem elementos para pedir impeachment

Senador tucano diz que os fatos estão sendo verificados pelo partido, mas que "aparentemente não" há elementos concretos para embasar um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; ex-governador de Minas também defendeu a indicação de Luiz Edson Fachin ao Supremo Tribunal Federal

Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária.

Em discurso, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária. Em discurso, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). Foto: Moreira Mariz/Agência Senado (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – O senador do PSDB Antonio Anastasia afirmou nesta segunda-feira 11 que o partido não tem elementos para pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Segundo ele, fatos estão sendo analisados, mas é preciso que haja elementos concretos para que o pedido seja formalizado. O tucano também informou que o parecer jurídico encomendado pelo PSDB ainda não foi concluído.

"Estamos aguardando. Foi dito, pelo presidente do partido, senador Aécio Neves, que nós estamos adotando medida, verificando fatos, porque o pedido de impeachment depende de elementos concretos para ser apresentado. Aparentemente não (não existe elementos concretos), mas temos que aguardar os desdobramentos. Tem questões ficais sendo discutidas com o Tribunal de Contas da União", disse, durante um evento em Belo Horizonte nesta manhã.

Anastasia também defendeu a indicação do jurista Luiz Edson Fachin para o Supremo Tribunal Federal (STF). Para ele, a polêmica envolvendo o nome do advogado em relação com o momento político. "O professor Fachin apresenta, de modo muito claro, ao meu juízo pessoal, as duas condições: ele tem a idoneidade moral e tem notoriedade de conhecimento jurídico. O que há é um ambiente político, que todos nós acompanhamos e, evidentemente, algumas teses que ele apresentou, que para alguns parlamentares têm causado alguma dúvida e isso vai ser discutido amanhã", afirmou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247