Após acidente com Campos, aeronautas pedem mudanças na lei

Em nota, o Sindicato Nacional dos Aeronautas defendeu a aprovação de um projeto de lei, de 2014, em tramitação no Congresso, que trata da legislação trabalhista dos pilotos e comissários de bordo, para evitar tragédias como a que causou a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e mais seis pessoas, em agosto do ano retrasado; as investigações do Cenipa apontaram que um dos fatores que contribuíram para o acidente foi a fadiga dos pilotos; sindicato afirma que a lei em vigor no Brasil tem mais de 30 anos e não leva em consideração os fatores humanos

Em nota, o Sindicato Nacional dos Aeronautas defendeu a aprovação de um projeto de lei, de 2014, em tramitação no Congresso, que trata da legislação trabalhista dos pilotos e comissários de bordo, para evitar tragédias como a que causou a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e mais seis pessoas, em agosto do ano retrasado; as investigações do Cenipa apontaram que um dos fatores que contribuíram para o acidente foi a fadiga dos pilotos; sindicato afirma que a lei em vigor no Brasil tem mais de 30 anos e não leva em consideração os fatores humanos
Em nota, o Sindicato Nacional dos Aeronautas defendeu a aprovação de um projeto de lei, de 2014, em tramitação no Congresso, que trata da legislação trabalhista dos pilotos e comissários de bordo, para evitar tragédias como a que causou a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e mais seis pessoas, em agosto do ano retrasado; as investigações do Cenipa apontaram que um dos fatores que contribuíram para o acidente foi a fadiga dos pilotos; sindicato afirma que a lei em vigor no Brasil tem mais de 30 anos e não leva em consideração os fatores humanos (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marli Moreira - Repórter da Agência Brasil

O Sindicato Nacional dos Aeronautas defendeu, por meio de nota, a necessidade de ser aprovar o mais rápido possível o Projeto de Lei 8.255 de 2014, em tramitação no Congresso Nacional, que trata da legislação trabalhista dos pilotos e comissários de bordo, como forma de se evitar tragédias como a que causou a morte de Eduardo Campos e mais seis pessoas, em 13 de agosto de 2014.

A entidade justificou que essa urgência fica evidente no resultado das investigações do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). De acordo com o relatório do Cenipa, um dos fatores que contribuíram para o acidente aéreo foi a fadiga dos pilotos Marcos Martins e Geraldo da Cunha, embora isso não tenha sido determinante.

“O fato de o acidente com Eduardo Campos ter tido a fadiga dos pilotos como um dos fatores contribuintes só aumenta a necessidade de celeridade na aprovação da nova Lei do Aeronauta, em nome da segurança das operações aéreas”, defende o sindicato.

Nova legislação

A instiuição alega que vem lutando pela aprovação de uma nova legislação desde 2011 que incluam práticas já adotadas em outros países, como o gerenciamento do risco de fadiga humana. De acordo com a entidade, a lei em vigor no Brasil tem mais de 30 anos e não leva em consideração os fatores humanos.

A proposta em tramitação no Congresso foi elaborada com base em estudos e pareceres de especialistas em aviação civil no mundo e, no momento, está sob análise da Comissão de constituição, Justiça e Cidadania.

"É sempre importante aguardar o fim das investigações em casos de acidente para evitar conclusões precipitadas e equivocadas, como foi o caso envolvendo os pilotos Marcos Martins e Geraldo da Cunha”, afirma a entidade. Para o sindicato, ambos estavam com licenças válidas para aquela aeronave como foi constatado, na época, pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247