Após entregar o pré-sal, Petrobras planeja privatizar quatro refinarias

Após a venda do petróleo do pré-sal às multinacionais, Petrobras quer privatizar quatro de suas 13 refinarias no Brasil, sendo duas delas no Nordeste e duas no Sul; modelo prevê que a estatal mantenha apenas 40% de participação nas unidades; refinarias que podem ser privatizadas são a Refinaria do Nordeste Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, Refinaria Presidiente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, e a Refinaria Alberto Pasqualine (Refap), no Rio Grande do Sul

Construção do sistema de tochas da Refinaria Abreu e Lima
rnest
Construção do sistema de tochas da Refinaria Abreu e Lima rnest (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - A Petrobras estuda a privatização de quatro de suas 13 refinarias no Brasil, sendo duas delas no Nordeste e duas no Sul. Apesar da modelagem ainda não ter sido aprovada pela direção da estatal, o modelo prevê que a estatal mantenha apenas 40% de participação nas unidades em questão, o que permitirá que ela mantenha sob seu controle 75% da capacidade de refino no Brasil.

As refinarias que podem ser privatizadas são a Refinaria do Nordeste Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, Refinaria Presidiente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, e a Refinaria Alberto Pasqualine (Refap), no Rio Grande do Sul.

A Petrobras deverá realizar uma apresentação à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), responsável por regular o mercado de capitais, sobre o assunto. Em nota, a Petrobras informou que a apresentação tem "caráter técnico, sem o objetivo de anunciar uma decisão sobre o assunto" e que o modelo em estudo "não conta com a aprovação formal de seus órgãos de governança (diretoria executiva e Conselho de Administração)".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247