Assassino confesso de taxistas é preso

Depois de criar uma onde de insegurança entre os taxistas do Rio Grande do Sul, polícia consegue prender acusado de matar seis profissionais no mês passado; Luan Barcelos da Silva confessou os crimes e disse que os cometeu por dinheiro; o jovem de 21 anos usou a experiência com armas adquirida no Exército para confundir a polícia; "é uma pessoa fria e calculista", explicou o chefe de polícia do estado, delegado Ranolfo Vieira Júnior

Assassino confesso de taxistas é preso
Assassino confesso de taxistas é preso
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Está atrás das grades o suspeito de matar seis taxistas no mês passado no Rio Grande do Sul. Três profissionais foram mortos com tiros na cabeça em Porto Alegre e o restante foi assassinado em Santana do Livramento, na fronteira oeste do estado.

Segundo a polícia, o homem de 21 anos foi preso nesse sábado 13 no bairro de Santa Cecília. Luan Barcelos da Silva confessou os crimes e disse que os teria cometido por dinheiro. O chefe de polícia do estado, delegado Ranolfo Vieira Júnior repassou as informações aos jornalistas em entrevista coletiva neste domingo 14.

No depoimento, o jovem de classe média contou que estava devendo o aluguel e que o salário de corretor de imóveis não era suficiente. Depois de ser demitido, ele teria ficado com mais dívidas, decidindo assim roubar e matar taxistas para resolver o problema. Com as mortes, ele conseguiu R$ 870.

"As roupas usadas por ele em Santana do Livramento e na Capital estão sujas de sangue. Eu acompanhei todo o interrogatório dele, que foi feito na presença de um advogado. É uma pessoa fria e calculista. Ele contou em detalhes caso a caso, como foi a morte de todos os taxistas", explicou o chefe da Polícia Civil.

Todas as seis vítimas foram mortas com tiros na cabeça, com um revólver calibre 22. O suspeito usou dois tipos de munição diferentes para confundir a polícia. Ele já havia servido no Exército e usou essa experiência com armas para matar os taxistas. Todos foram mortos sem terem consciência de que era um assalto.

No mês passado, os taxistas fizeram um grande protesto em frente à casa do governador gaúcho Tarso Genro (PT) para pedir mais segurança depois das três mortes registradas em Porto Alegre. [Relembre aqui]

** Com informações do Zero Hora

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247