Autódromo de Interlagos deve ser privatizado em março ou abril, diz Doria

Em visita ao autódromo de Interlagos, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) diz que a venda do autódromo não irá prejudicar o GP do Brasil; Doria pretende vender Interlagos até abril de 2018; “O autódromo de Interlagos e a F1 são um pacote interessante para os investidores. Há grupos brasileiros e internacionais (interessados)”, afirmou Doria a jornalistas a poucos dias do GP Brasil, que acontece em 12 de novembro

GP BRASILE F1/2016 - INTERLAGOS (BRASILE) 11/11/2016 © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP BRASILE F1/2016 - INTERLAGOS (BRASILE) 11/11/2016 © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE) (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A privatização do autódromo paulista de Interlagos deve ocorrer em março ou abril do ano que vem, mas a venda não vai afetar a realização do Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, disse o prefeito de São Paulo, João Doria, nesta quarta-feira. 

A Câmara Municipal de São Paulo ainda precisa aprovar a venda do circuito, mas, segundo Doria, isso é “praticamente 100 por cento” de certeza.

“O autódromo de Interlagos e a F1 são um pacote interessante para os investidores. Há grupos brasileiros e internacionais (interessados)”, afirmou Doria a jornalistas a poucos dias do GP Brasil, em 12 de novembro.

“Teremos um novo proprietário, mas o contrato com a Fórmula 1 será rigorosamente obedecido até 2020. Nosso desejo é que a Fórmula 1 siga aqui em 2021, 2022, por muito tempo. Nossa ideia é seguir por três ou quatro décadas”, completou.

Doria visitou o circuito nesta quarta-feira para acompanhar o investimento de quase 7 milhões de dólares no paddock e na pista para a penúltima corrida da temporada, no próximo mês.

O piloto britânico Lewis Hamilton espera garantir seu quarto título mundial com uma vitória no próximo fim de semana no México.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247