Balança goiana fecha com saldo de US$ 204 milhões

Números, se comparados com novembro do ano passado, mostram evolução de 4% nas exportações e de 98% no saldo; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, esclarece que o superávit comercial obtido no mês foi o melhor da série histórica iniciada na década de 1990 pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); milho liderou as exportações goianas sendo que o produto representou 27,4% das vendas para o mercado externo; carnes (bovinas, aves e suínas) participaram com 26,6%

Números, se comparados com novembro do ano passado, mostram evolução de 4% nas exportações e de 98% no saldo; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, esclarece que o superávit comercial obtido no mês foi o melhor da série histórica iniciada na década de 1990 pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); milho liderou as exportações goianas sendo que o produto representou 27,4% das vendas para o mercado externo; carnes (bovinas, aves e suínas) participaram com 26,6%
Números, se comparados com novembro do ano passado, mostram evolução de 4% nas exportações e de 98% no saldo; vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, esclarece que o superávit comercial obtido no mês foi o melhor da série histórica iniciada na década de 1990 pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); milho liderou as exportações goianas sendo que o produto representou 27,4% das vendas para o mercado externo; carnes (bovinas, aves e suínas) participaram com 26,6% (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - As exportações de novembro somaram US$ 452,605 milhões, enquanto as importações chegaram a US$ 248,560 milhões, resultando em saldo comercial de US$ 204,045 milhões. Os números, se comparados com novembro do ano passado, mostram evolução de 4% nas exportações e de 98% no saldo. As importações, por sua vez, apresentaram queda de 23%.

Dados divulgados nesta sexta-feira pelo vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico (SED), José Eliton, esclarecem que o superávit comercial obtido no mês foi o melhor da série histórica iniciada na década de 1990 pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), com registro também do vigésimo segundo superávit mensal consecutivo obtido pela balança comercial goiana. As exportações ainda se destacaram ao atingir o terceiro mais significativo resultado da história nessa mesma série.

O titular da SED falou sobre a importância do resultado obtido pelo comércio goiano. Para ele, a notícia se torna mais relevante porque o país passa por um quadro econômico altamente recessivo. “Somos impactados, a cada momento, com notícias ruins sobre a economia nacional. Então, é imperioso que compartilhemos com vocês os bons resultados do nosso comércio internacional”, disse.

O vice-governador aproveitou a ocasião para destacar a importância das missões comerciais realizadas no decorrer do ano na sustentação desses números: “As vendas para o mercado externo são imprescindíveis para amenizar os impactos da crise nas empresas. Esse é um dos motivos pelo qual nosso Estado sofre em menor escala os efeitos da recessão”.

Produtos e destinos
Pelo segundo mês consecutivo o milho liderou as exportações goianas. Em novembro, o produto representou 27,4% das vendas para o mercado externo. As carnes (bovinas, aves e suínas) participaram com 26,6%. Na sequência, aparecem o complexo soja, 15,8%; ferroligas, 7,4%; ouro, 6,6%; couro, 4,6%; açúcar, 4,4%; algodão, 1,2%; amianto, 0,91%, além de café, chá, mate e especiarias; outros produtos de origem animal; produtos farmacêuticos; preparações alimentícias; gelatinas e derivados, e veículos e suas partes. Os complexos do milho e da soja, ouro, e café e chás foram os principais produtos responsáveis pela variação positiva nas exportações de novembro, na comparação com este mês do ano passado.

Os principais destinos para os produtos goianos foram, nessa ordem, a Holanda (13,9%), China (11,9%), Coreia do Sul (8,9%), Japão (6,5%), Índia (4,9%), Irã (4,3%), Taiwan (3,6%), Rússia (3,5%), Hong Kong (3,5%) e Vietnam (3,3%).

Nas importações, destacaram-se os produtos farmacêuticos com participação de 30,3% das compras, seguidos pelos automóveis, tratores e suas partes, 22,6%; adubos ou fertilizantes, 11%; caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, 8,2%; produtos químicos orgânicos, 7%; máquinas, aparelhos e materiais elétricos e suas partes, 3,5%; instrumentos e aparelhos de ótica e fotografia, 2,7%; bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres, 1,5%; sal, enxofre, terras e pedras, gesso, cal e cimento, 1,4%; plástico e suas obras, 1,3%. Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, Alemanha, China, Tailândia, Índia, Rússia, Suíça e Canadá aparecem como os principais países de origens das importações goianas.

Saldo supera US$ 2 bi
Nos onze meses do ano, as exportações goianas acumularam em US$ 5,330 bilhões, um recuo de 17,9% ante o mesmo período do ano passado. As importações também tiveram redução de 22,5%, com total de US$ 3,153 bilhões. O resultado proporcionou superávit comercial de US$ 2,177 bilhões.

Comparativo Goiás x Brasil
Em novembro, as vendas goianas para o mercado externo representaram 3,28% do total das exportações brasileiras, contra 2,78% apurado em novembro do ano passado. No acumulado do ano, a participação atingiu 3,06% do total nacional. O saldo comercial da balança comercial goiana representa 16,2% do saldo nacional.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247