Bancada do PSB- PE deve votar contra a PEC dos Gastos

Bancada pernambucana do PSB na Câmara dos Deputados não deverá seguir a orientação nacional do partido em relação votação da PEC 241, a chamada PEC dos gastos públicos; segundo ele, a proposta sinaliza apenas ao mercado financeiro, sendo preciso criar mecanismos diferenciados para as áreas social, de saúde e educação; "Não podemos deixar o País com uma regra engessando os gastos por 20 anos. Isso põe em risco conquistas históricas. Não podemos matar o paciente com uma dose forte demais do antibiótico", disse Alencar

Bancada pernambucana do PSB na Câmara dos Deputados não deverá seguir a orientação nacional do partido em relação votação da PEC 241, a chamada PEC dos gastos públicos; segundo ele, a proposta sinaliza apenas ao mercado financeiro, sendo preciso criar mecanismos diferenciados para as áreas social, de saúde e educação; "Não podemos deixar o País com uma regra engessando os gastos por 20 anos. Isso põe em risco conquistas históricas. Não podemos matar o paciente com uma dose forte demais do antibiótico", disse Alencar
Bancada pernambucana do PSB na Câmara dos Deputados não deverá seguir a orientação nacional do partido em relação votação da PEC 241, a chamada PEC dos gastos públicos; segundo ele, a proposta sinaliza apenas ao mercado financeiro, sendo preciso criar mecanismos diferenciados para as áreas social, de saúde e educação; "Não podemos deixar o País com uma regra engessando os gastos por 20 anos. Isso põe em risco conquistas históricas. Não podemos matar o paciente com uma dose forte demais do antibiótico", disse Alencar (Foto: Paulo Emílio)

Pernambuco 247 - A bancada do PSB¬-PE na Câmara dos Deputados não deve6á seguir a orientação nacional do partido em relação votação da PEC 241, a chamada PEC dos gastos públicos. Para o deputado Tadeu Alencar, é necessário criar cortes no custeio como defende o governo federal, mas sem engessar os investimentos em áreas sociais. Segundo ele, a proposta sinaliza apenas ao mercado financeiro, sendo preciso criar mecanismos diferenciados para as áreas social, de saúde e educação.

"Não podemos deixar o País com uma regra engessando os gastos por 20 anos. Isso põe em risco conquistas históricas. Não podemos matar o paciente com uma dose forte demais do antibiótico", disse Alencar. Além dele, o deputado Danilo Cabral também se posicionou publicamente contra a PEC. Os parlamentares João Fernando Coutinho, Creuza Pereira, Gonzaga Patriota e Severino Ninho já haviam sinalizado à bancada que iriam votar contra PEC. O posicionamento de Marinaldo Rosendo não é conhecido.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247