Banco Mundial critica "baixa execução" do PDRIS

No Tocantins até sexta-feira, 10, comitiva do Banco Mundial (Bird) está avaliando o andamento do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), que envolve investimentos totais de US$ 375 milhões em várias áreas; gerente de Projetos do Bird, Eric Lancelot, criticou o baixo desempenho das atividades previstas no PDRIS nas gestões dos ex-governadores Siqueira Campos (PSDB) e Sandoval Cardoso (SD); "Nos primeiros anos do projeto, a execução das ações foi de apenas 14%"; segundo secretário de Planejamento, David Torres, governo já pagou R$ 12 milhões em parcelas atrasadas; para Educação, Bird anunciou investimento de R$ 22 milhões em projetos educacionais nos municípios ao longo da BR-153

No Tocantins até sexta-feira, 10, comitiva do Banco Mundial (Bird) está avaliando o andamento do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), que envolve investimentos totais de US$ 375 milhões em várias áreas; gerente de Projetos do Bird, Eric Lancelot, criticou o baixo desempenho das atividades previstas no PDRIS nas gestões dos ex-governadores Siqueira Campos (PSDB) e Sandoval Cardoso (SD); "Nos primeiros anos do projeto, a execução das ações foi de apenas 14%"; segundo secretário de Planejamento, David Torres, governo já pagou R$ 12 milhões em parcelas atrasadas; para Educação, Bird anunciou investimento de R$ 22 milhões em projetos educacionais nos municípios ao longo da BR-153
No Tocantins até sexta-feira, 10, comitiva do Banco Mundial (Bird) está avaliando o andamento do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), que envolve investimentos totais de US$ 375 milhões em várias áreas; gerente de Projetos do Bird, Eric Lancelot, criticou o baixo desempenho das atividades previstas no PDRIS nas gestões dos ex-governadores Siqueira Campos (PSDB) e Sandoval Cardoso (SD); "Nos primeiros anos do projeto, a execução das ações foi de apenas 14%"; segundo secretário de Planejamento, David Torres, governo já pagou R$ 12 milhões em parcelas atrasadas; para Educação, Bird anunciou investimento de R$ 22 milhões em projetos educacionais nos municípios ao longo da BR-153 (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - Representantes do Banco Mundial (Bird) estão no Tocantins até sexta-feira, 10, para avaliar o andamento das ações do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), uma das principais fontes de investimentos no Estado, que envolvem recursos totais de US$ 375 milhões em várias áreas.

O gerente de Projetos do Banco Mundial, Eric Lancelot, criticou o baixo desempenho das atividades previstas no PDRIS nas gestões dos ex-governadores Siqueira Campos (PSDB) e Sandoval Cardoso (SD). "Nos primeiros anos do projeto, a execução das ações foi de apenas 14%", afirmou o representante do Bird.

Nesta quarta-feira, o titular da Seplan, David Torres, e os representantes dos órgãos coexecutores do projeto, se reuniram com a equipe técnica do banco. Durante a reunião, o secretário David Torres adiantou à equipe do Banco Mundial que o PDRIS é uma prioridade do Governo do Estado. "O governador Marcelo Miranda nos pediu ampla prioridade nas ações do projeto. Recentemente, retomamos as negociações com o banco e já conseguimos pagar cerca R$ 12 milhões das parcelas atrasadas do financiamento. Nos próximos dias providenciaremos o pagamento de mais R$ 4 milhões", adiantou, afirmando também que o Governo trabalha para recuperar a credibilidade financeira do Estado para avançar com as atividades do PDRIS.

O Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado Sustentável (PDRIS) beneficia 72 municípios tocantinenses. O objetivo é contribuir para a melhoria da competitividade e da integração regional, promovendo a inclusão social e a sustentabilidade ambiental. Além disso, fomenta a eficácia do transporte rodoviário e dos serviços públicos em apoio ao desenvolvimento integrado e territorialmente equilibrado do Estado.

Banco Mundial vai investir R$ 22 milhões em projetos educacionais

O Banco Mundial vai destinar R$ 22,4 milhões ao Programa Estrada do Conhecimento (PEC), que tem o objetivo de promover Educação efetiva e integral, com inclusão social de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social em municípios às margens da BR-153. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 8, pela comitiva do banco. 

Como parte do PEC, a Seduc apresentou novas ações que serão executadas no estado, entre elas, um estudo piloto da qualidade do ensino da educação infantil, uma pesquisa piloto com base na metodologia do uso do tempo em sala de aula, reforma e ampliação de unidades escolares e a formação de professores. O programa também prevê a ampliação e reforma de algumas unidades escolares nos municípios de Aliança do Tocantins, Aguiarnópolis, Barrolândia, Pugmil, Colinas do Tocantins e Wanderlândia.

O secretário de Educação do Estado, Adão Francisco, explicou que a Seduc já possui um mapa da desigualdade sócio-educacional do Estado e garantiu que o estudo vai subsidiar a implementação dos projetos firmados entre a secretaria e o Banco. "A pesquisa vai nortear as ações da secretaria, principalmente no que diz respeito a desigualdade socioeconômica, os índices de escolarização, evasão e reprovação dos estudantes. A partir desses dados vamos conseguir minimizar as condições de vulnerabilidade social dos alunos e ao mesmo tempo garantir a execução com sucesso dos nossos projetos", afirmou.

Para assessor técnico do Banco Mundial, Leandro Costa, o Tocantins só tem a ganhar com as parcerias firmadas, mas é preciso implementar e reavaliar as ações em andamento, bem como os novos projetos. "Nos próximos seis meses nós vamos avaliar todos os itens dos programas já existentes, e após esse trabalho, serão tomadas todas as providencias para acelerar a execução dos mesmos. Se conseguirmos executar essas atividades, o Tocantins será referencia para o mundo", reforçou. 

(Atualização às 18h17)

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247