Base de Dilma em AL se reúne e lança manifesto

Os partidos que sustentam a base de apoio ao governo Dilma Rousseff (PT) em Alagoas se reuniram, na tarde desta segunda-feira (23), em um restaurante na orla de Ponta Verde, em Maceió, para traçar o cenário político de 2014 e avaliar as ações do último ano. Na oportunidade, os partidos lançaram um manifesto contra a gestão de Teotonio Vilela Filho (PSDB), intitulado "Em Defesa de Alagoas".

Os partidos que sustentam a base de apoio ao governo Dilma Rousseff (PT) em Alagoas se reuniram, na tarde desta segunda-feira (23), em um restaurante na orla de Ponta Verde, em Maceió, para traçar o cenário político de 2014 e avaliar as ações do último ano. Na oportunidade, os partidos lançaram um manifesto contra a gestão de Teotonio Vilela Filho (PSDB), intitulado "Em Defesa de Alagoas".
Os partidos que sustentam a base de apoio ao governo Dilma Rousseff (PT) em Alagoas se reuniram, na tarde desta segunda-feira (23), em um restaurante na orla de Ponta Verde, em Maceió, para traçar o cenário político de 2014 e avaliar as ações do último ano. Na oportunidade, os partidos lançaram um manifesto contra a gestão de Teotonio Vilela Filho (PSDB), intitulado "Em Defesa de Alagoas". (Foto: Voney Malta)

Alagoas247 - Estiveram presentes mais de 400 lideranças políticas de todo estado, a exemplo dos senadores Fernando Collor de Mello (PTB) e Renan Calheiros (PMDB); do ex-governador Ronaldo Lessa; do ex-prefeito de Maceió, Cícero Almeida (PRTB); do deputado federal Renan Filho (PMDB).

Durante discurso, Lessa traçou um paralelo entre as duas gestões dele no governo do Estado e apontou para o que considera como o caos social na atual governo. De acordo com ele, os alagoanos têm sido vítimas de uma gestão desastrosa, que, ao longo dos últimos anos, resultou no assassinato de mais de 15 mil pessoas. O pedetista destacou ainda que, nas suas duas gestões à frente do Executivo, diversas escolas foram erguidas por todo estado. Já na era tucana não sem tem notícia de nenhuma construção nesse sentido.



“A sociedade sente na pele a dor e o sentimento do retrocesso dessa gestão. Infelizmente, os dados mostram que quase 15 mil pessoas foram assassinadas. Na área da educação, houve um drástica redução no número de vagas. A oferta de vagas no Cepa, por exemplo, caiu pela metade. Na minha gestão, eram pouco mais de 22 mil vagas. Na segurança pública nem fala. Um caos absoluto instalado”, destacou o presidente do PDT em Alagoas, Ronaldo Lessa.

O senador Fernando Collor afirmou, em entrevista a imprensa, que o encontro das lideranças tem como objetivo avaliar as ações do último ano e traçar perspectivas para o cenário político de 2014. “Estamos aqui para celebrar as ações políticas de 2013 e obter uma avaliação do trabalho de oposição ao longo dos últimos doze meses. Naturalmente, estaremos, também, discutindo 2014, mas não teremos nenhuma deliberação hoje. Esse almoço reúne os partidos que sustentam a base de apoio ao governo Dilma, e fazem também oposição a gestão Teotonio Vilela”, frisou Collor.,

“Não estamos aqui para fazer terrorismo, pois o grande responsável por esse sentimento é o governador Vilela. O nosso estado vive um cenário de incerteza e os gestores do Executivo optam, lamentavelmente, por campanhas publicitárias fantasiosas. Com estes partidos reunidos, confirmamos que Alagoas não será mais governada por uma cooperativa. Portanto meus companheiros, essa triste realidade que presenciamos pode mudar. Basta que esse mentiroso saia do palácio República dos Palmares”, acrescentou Collor.


Essa realidade pode mudar

Os partidos PTD, PT, PTB, PCdoB, PMDB, PRTB, PT do B, PRB, PV, PHS, PTL, PSD, PMN, PTC, PCN e PSDC enviaram seus representantes ao encontro. O presidente estadual do PT e deputado federal Paulão lembrou que, apesar do R$ 200 milhões enviados pelo governo federal, a gestão tucana não foi competente o suficiente para reverter o cenário de caos na área da segurança pública.

“Ao contrário do que muitos pensam, esse encontro entre as lideranças políticas não tem como objetivo desqualificar qualquer político. Mas, sim, avaliar as ações. Por exemplo, o nosso estado voltou a figurar como um dos piores IDH do País, bem como o segundo local de violência contra a mulher. O governo Dilma Rousseff fez seu papel em enviar os recursos, mas a gestão alagoana não soube administrar e os resultados estão nas ruas. Nossa esperança é de que o Estado volte a andar nos trilhos. Não aguentamos mais tanto descaso”, ponderou Paulão.

O deputado Renan Filho cobrou do governo do estado ações no sentido de minimizar o sentimento de medo que está estampado na cara dos alagoanos. “Não se transforma um cenário como esse com discursos e pronunciamentos. É preciso fazer mais, muito mais. Caso não haja prioridade nas ações sociais o atual cenário não vai mudar. Ocupamos hoje, infelizmente, ocupamos o primeiro lugar no ranking do estado mais violento do país e também o da sexta capital mais violenta do mundo. Devemos priorizar educação e saúde”, afirmou o peemedebista.

O presidente estadual do PRTB, Cícero Almeida, revelou que partido trabalha no sentido de apontar três nomes para a disputa na Assembleia Legislativa de Alagoas e dois nomes para federal. Segundo Almeida, os nomes apontados terão o apoio dos senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor.

Diante dos volumosos recursos enviados pela presidente Dilma para Alagoas, o senador Renan Calheiros disse, à oportunidade, que o braço do governo federal não tem se furtado em ajudar no que é possível. “Ao longo dos últimos dos anos, o estado de Alagoas recebeu milhões em recursos. Quero dizer a todos vocês – que compõem a base de apoio ao governo Dilma – que estamos junto, e sonhamos com um 2014 melhor para o povo alagoano. Por meio de um projeto de desenvolvimento, podemos colocar Alagoas em outro patamar. Podem contar conosco”, anunciou.

Com gazetaweb.com

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247