Black Friday: qual a origem do termo? Racismo?

A Black Friday é conhecida como uma temporada de grandes descontos no comércio de vários países ao redor do mundo. No Brasil não é diferente

Consumidores buscam ofertas na Black Friday
Consumidores buscam ofertas na Black Friday (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Black Friday dispensa apresentações, é uma temporada de grandes descontos no comércio de vários países pelo mundo, inclusive no Brasil. Mas ao mesmo tempo em a época de descontos é tão conhecida, poucos conhecem a origem do termo "Black Friday".

A discussão sobre o termo ganhou força após a declaração do CEO do Grupo Boticário, Artur Grynbaum, ao anunciar que as empresas do conglomerado não passariam a usar mais a expressão, em um gesto, segundo ele, contra o racismo.

Há rumores, de acordo com a Gauchazh, de que o termo "Black Friday" faz alusão a uma tradição criada em 1904 na qual senhores vendiam seus escravos em liquidação.

Segundo apurações de 2019 do G1 e do jornal Estado de S. Paulo, a expressão não está ligada a venda de escravos. O Estadão alerta, porém, que não há uma única explicação para a origem do termo.

Dados apontam que as primeiras utilizações de "Black Friday" surgiram anos após a abolição da escravidão, tanto no Brasil como nos Estados Unidos.

A agência de checagem norte-americana Snopes afirma que a expressão já foi utilizada para descrever diversas ausências de trabalhadores que inventavam doenças para prolongar o feriado.

Em 1960, o termo "Black Friday" foi utilizado por policiais para dar nome ao grande movimento no comércio de Filadélfia após o feriado de Ação de Graças. Nesta perspectiva, o uso da expressão é visto como forma de depreciar os negros, já que o uso da palavra "black" (negra) neste contexto dá o sentido de um fato ruim, negativo.

Segundo o G1, os comerciantes entendiam o termo "black" como positivo, interpretando que neste período o aumento das vendas fazia com que as empresas saíssem do vermelho e voltassem "ao preto".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247