Bolsa Família: 140 mil benefícios serão revisados na Bahia

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões
O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia. Projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa.

A investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro. Entre as cidades baianas com mais casos suspeitos de irregularidade estão São Francisco do Conde, Tremedal, Ipecaetá, Gongogi e Itaju do Colônia.

Para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos. Entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões.

O estado foi o que teve mais cartões do Bolsa Família bloqueados e o segundo em benefícios cancelados, depois que o governo federal identificou rendas superiores às exigidas no programa. Em todo país, foram expedidas recomendações para que 4.703 prefeituras realizem visitas domiciliares aos beneficiários suspeitos.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247