Bolsa Família: 140 mil benefícios serão revisados na Bahia

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões
O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia; projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa; a investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro; para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos; entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - O Ministério Público Federal (MPF) recomendou revisão de 141.481 cadastros do programa Bolsa Família na Bahia. Projeto do MPF intitulado 'Raio-X Bolsa Família' aponta que estes beneficiários receberam irregularmente mais de R$ 536 milhões do programa.

A investigação sugere que empresários, servidores públicos e estelionatários usaram dados de pessoas falecidas para receber o dinheiro. Entre as cidades baianas com mais casos suspeitos de irregularidade estão São Francisco do Conde, Tremedal, Ipecaetá, Gongogi e Itaju do Colônia.

Para o MPF, a Bahia foi o estado que mais repassou recursos para beneficiários suspeitos. Entre 2013 e maio de 2016 o prejuízo com as irregularidades somaria mais de R$ 3,3 bilhões.

O estado foi o que teve mais cartões do Bolsa Família bloqueados e o segundo em benefícios cancelados, depois que o governo federal identificou rendas superiores às exigidas no programa. Em todo país, foram expedidas recomendações para que 4.703 prefeituras realizem visitas domiciliares aos beneficiários suspeitos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247