Boulos: democracia pede socorro quando até a suprema corte relativiza uma ditadura

O candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos, criticou a declaração do presidente do STF, Dias Toffoli, nesta segunda-feira, 1; "Presidente do STF disse que prefere chamar o golpe militar de 'movimento de 1964'. O próximo passo vai ser chamar as torturas de 'pressão física e psicológica' e os assassinatos políticos de "baixas". A democracia pede socorro quando até a suprema corte relativiza uma ditadura", disse Boulos pelo Twitter

Boulos: democracia pede socorro quando até a suprema corte relativiza uma ditadura
Boulos: democracia pede socorro quando até a suprema corte relativiza uma ditadura
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos, criticou a declaração do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, que disse nesta segunda-feira, 1, que prefere chamar ditadura militar de 'movimento de 1964'. 

"Presidente do STF disse que prefere chamar o golpe militar de 'movimento de 1964'. O próximo passo vai ser chamar as torturas de 'pressão física e psicológica' e os assassinatos políticos de "baixas". A democracia pede socorro quando até a suprema corte relativiza uma ditadura", disse Boulos pelo Twitter. 

Em discurso no seminário sobre os 30 anos da Constituição de 1988, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, falou sobre a Ditadura Militar (1964-1985), disse que atualmente se refere ao período como "movimento de 1964"; "Hoje, não me refiro nem mais a golpe nem a revolução. Me refiro a movimento de 1964", afirmou Toffoli (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247