'Brasil deve priorizar relação com EUA e União Europeia', diz Armando

O futuro ministro do Desenvolvimento da presidente Dilma, o senador Armando Monteiro (PTB-PE) avalia que é preciso "mudar e temos que fazer essas apostas"; "Primeiro, concluir o acordo Mercosul-União Europeia, revalorizar a parceria com Estados Unidos e renovar o acordo com México, que está vencendo agora e é muito importante para o setor automotivo brasileiro. Há uma agenda densa do ministério para acordos novos, bilaterais. A integração com os países da Aliança do Pacífico é também uma oportunidade", afirmou

www.brasil247.com - Brasília- DF- Brasil- 01/12/2014- Após ser anunciado como novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o senador Armando de Queiroz Monteiro Neto, fala à imprensa no Palácio do Planalto. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 01/12/2014- Após ser anunciado como novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o senador Armando de Queiroz Monteiro Neto, fala à imprensa no Palácio do Planalto. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Lucena)


Pernambuco 247 – O futuro ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior da presidente Dilma Rousseff (PT), o senador Armando Monteiro (PTB-PE) disse que a parceria comercial do Brasil e com os Estados Unidos e com a União Europeia devem ser a prioridade para a política de comércio exterior a partir de 2015. Durante o primeiro mandato da petista, a política externa do governo federal buscou estreitar os laços com países em desenvolvimento na América Latina, na África e na Ásia.

"Precisamos mudar e temos que fazer essas apostas. Primeiro, concluir o acordo Mercosul-União Europeia, revalorizar a parceria com Estados Unidos e renovar o acordo com México, que está vencendo agora e é muito importante para o setor automotivo brasileiro. Há uma agenda densa do ministério para acordos novos, bilaterais. A integração com os países da Aliança do Pacífico é também uma oportunidade", afirmou o congressista.

O parlamentar reconheceu que nos primeiros meses vai trabalhar num ambiente de restrições diante das dificuldades de promover desonerações fiscais. Espero que o governo nos ofereça financiamento e seguro de exportações para minimizar riscos políticos nos novos mercados. O câmbio é uma oportunidade", disse.

Leia mais na edição do Valor

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email