Caixa 2 de Furnas teria turbinado Aécio e Alckmin

Mensalão para 150 políticos do PSDB e do DEM teria sido extraído da estatal de energia; lista de repasse de verbas, assinada pelo então presidente Dimas Toledo (centro), para as campanhas de 2002, é legítima, segundo laudo da PF; Ministério Público acata

Caixa 2 de Furnas teria turbinado Aécio e Alckmin
Caixa 2 de Furnas teria turbinado Aécio e Alckmin (Foto: Edição/247)

Minas 247 – Na véspera do julgamento mais esperado do Brasil, o da Ação Penal 470, pelo Supremo Tribunal Federal, a partir da quinta-feira 2, o chamado o mensalão, o Ministério Público Federal faz denúncia formal sobre um esquema fartamente documentado para pagar mesadas a servidores e políticos. A estatal Furnas teria superfaturado contratos para dar dinheiro gordo a cerca de 150 políticos durante a campanha eleitoral de 2002, na grande maioria do PSDB e do DEM. Entre eles, figuram os então candidatos Aécio Neves e Geraldo Alckmin.

O colunista Amaury Ribeiro Jr, do jornal Hoje em Dia e autor do best seller A Privataria Tucana, publicou matéria sobre a Lista de Furnas nesta terça-feira 31. A lista teria sido feita pelo próprio ex-presidente e ex-diretor de planejamento de Furnas, Dimas Toledo. Entre os contemplados, além de Aécio e Alckmin, o  ex-deputado Roberto Jefferson. Ele próprio já declarou ter recebido R$ 75 mil da estatal, entregues pelo próprio Dimas Toledo.

Na matéria, Amaury explica que de acordo com a procuradora República no Rio, Andrea Bayão Ferreira, o mensalão de Furnas provocou o enriquecimento de funcionário públicos, empresários e lobistas acusados de alimentarem os financiamentos ilegais de campanha políticas dos tucanos e de seus aliados com dinheiro público.

Grampos da Polícia Federal com o lobista Nilton Monteiro, que teria recebido a lista de Todelo e tentado negociá-la com adversários do PSDB, mostram a autenticidade do documento. A Lista de Furnas é assinada pelo diretor de planejamento. A PF descartou a possibilidade de montagem na assinatura.

O MPF denunciou Todelo e Jefferson, mas aliviou para os caciques tucanos. O argumento seria que "eles são alvos específicos de uma investigação da PF e do MPF sobre os beneficiários da caixinha de campanha alimentada pela empresa estatal".

O futuro dos dois está nas mãos da Vara da Fazenda do Rio, para onde foi encaminhada a denúncia. Antes, o deputado Rogério Correia (PT-MG), com base no laudo pericial da Polícia Federal, já havia denunciado o rombo na estatal mineira para eleição de Aécio Neves ao governo do estado em 2002. "Os tucanos só querem investigar os esquemas do outros, porque esse de Furnas eles tentam abafar até agora", disse Correia ao 247. "Quando fiz a denúncia, tentaram até mesmo cassar o meu mandado, mas a verdade, finalmente, começa a prevalever".

O ESQUEMA - Contratos superfaturados com a Toshiba do Brasil e a JPE Engenharia Ltda alimentariam o esquema, segundo o relato de Amaury no Hoje em Dia. As duas empresas foram contratadas sem licitação pela estatal Furnas.

O superintendente administrativo da Toshiba, José Csapo Talavera, afirmou que consultorias feitas por empresas de fachada até 2004 eram esquentadas por notas frias. Executivos da companhia japonesa também confirmaram a existência de um caixa dois para bancar mesada de servidores e políticos. O jornalista Amaury Ribeiro Jr., a partir da publicação da reportagem, está denunciando pressões da irmã de Aécio Neves, Andreia, sobre a cúpula do jornal Hoje em Dia para a sua demissão.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247