Campus Party: ciborgue real ouve o som das cores

Neil Harbisson nasceu enxergando apenas em preto e branco; um chip eletrnico implantado na cabea dele emite vibraes e permite que ele sinta as cores por meio do som; at agora, ele foi a atrao mais aplaudida da Campus Party 2012

Campus Party: ciborgue real ouve o som das cores
Campus Party: ciborgue real ouve o som das cores (Foto: Felipe L. Gonçalves/247)

Diego Iraheta _247 - No imaginário coletivo, ele é símbolo da apaixonante diferença que ao mesmo tempo amedronta e fascina. É humano mas só parcialmente. Por meio da tecnologia, é um homem especial, um ciborgue. O dueto homem e máquina podia ser só ficção científica, entre Robocops e Exterminadores do Futuro. É, no entanto, objeto incansável de estudos, como no Manifesto Cyborg, lançado em 1985 pela feminista Donna Haraway.

Na Campus Party Brasil 2012, a personagem deixou telas e mentes inquietas e se materializou. O primeiro ciborgue do mundo chegou ao País para contar sua trajetória aos milhares de campuseiros. Neil Harbisson nasceu enxergando apenas em preto e branco. A deficiência, chamada acromatopsia, acompanhou o compositor britânico até os 20 anos. Graças à inteligência artificial, ele passou a distinguir cores a partir de sua segunda década de vida.

“Eu nunca me vi como deficiente. Sempre soube que eu tinha uma condição visual que era diferente”, contou Harbisson. A tecnologia que possibilitou a maior mudança em sua vida é conhecida como eyeborg. É uma espécie de olho eletrônico, um chip instalado em sua cabeça que emite vibrações, sons para diferentes tonalidades de cor. Assim, o primeiro ciborgue do mundo não só vê, mas também sente as cores.

O britânico nunca se importou em ser diferente. Para ele, nós, humanos, temos a péssima mania de nos comparar uns aos outros. Ele prefere mirar os animais como parâmetro para avaliar os cinco sentidos… “Aí eu me sinto muito deficiente; os cães, por exemplo, têm um olfato bem melhor que o meu e ouvem sons que eu não escuto”, compara.

Apesar de ser oficialmente um ciborgue, reconhecido por governo e autoridades médicas, Harbisson não se sente um super-herói. Evita sair às ruas quando as crianças saem da escola e na hora de festas, durante a madrugada, para não sofrer bullying ou ser vítima de ataques de bêbados. O aparelho que utiliza não é nada discreto e, claro, acaba atraindo atenção de quem está por perto.

“No começo, era muito constrangedor. Mas tive que parar de me importar com as reações, principalmente as negativas”, conta. “Acho que ganhei um sentido, de ver cor, e gradualmente perdi outro – o senso de ridículo, de me sentir ridículo.”

Hoje, Harbisson dirige a Cyborg Foundation, fundada em 2010, para ajudar homens com deficiência a estender seus sentidos e, como ele, se transformar em ciborgues. Nas horas de descanso, adora ir ao supermercado para curtir o som das cores, especialmente da seção de sabão e detergentes.

Também prefere os filmes coloridos aos filmes em preto e branco. O motivo? – pergunta o 247. “Às vezes, o som das cores dos filmes é melhor que a trilha sonora, que as músicas que estão tocando nas cenas”, revela.

Uma bela lição sobre como aceitar as nossas diferenças, hein?

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247